17 maio, 2017

Sete minutos depois da meia-noite


Ichii.... quanto tempo que não escrevo nada aqui... Dica da sessão pipoca então... nem se fala!

Mas pra deixar registrado aqui um filme que gostei muito, de uma profundidade psicológica tocante. Além das interpretações ótimas.

Sete minutos depois da meia-noite - e está disponível no Netflix.

Bom, já aviso... pega o lencinho.... É bem provável que você precise.



01 fevereiro, 2017

Confiança... além dos fios...

Por Milene Siqueira


"Quando o coração se torna inocente e as paredes desaparecem, você fica ligado ao infinito. E você não terá sido enganado; não existirá nada que lhe possa ser tomado. Aquilo que pode ser tirado de você, não vale a pena guardar; e aquilo que não há como ser tirado de você, por que haveria alguém de ter medo que lhe seja tirado? Não pode ser levado, não há possibilidade. Você não pode perder o seu tesouro verdadeiro"
Osho


Será que é a confiança que nos dá suporte aos medos?

Mas não seria pela quebra da mesma confiança também uma das razões dos nossos medos?

Con-fiança... Com fios - que se lançam na direção de alguém ou de algo.

Lembrei de uma amiga que para fazer tratamento dentário, antes ela precisa chegar e abraçar o dentista. Abraço que diz "eu tenho medo e espero poder confiar em você". 
Aquela mão que segura a nossa na turbulência do avião, num parto...
Faz diferença? Ah, faz. A gente revela nossa insegurança e se sente amparado por um instante que seja.

Contar um segredo a quem se confia. Dividir a vida com quem se confia... 
Mas nessa confiança que dura mais que um instante... mora um problema: a expectativa.
As imagens que temos sobre o outro nem sempre são reais (principalmente quando as imagens sobre nós mesmos são ainda tão nubladas), e as expectativas vão se somando nas projeções. E dai... quase sempre inevitavelmente a gente se vê na rua da amargura. E depois??? Como confiar novamente?
(curioso é que a confiança pode não existir mais, mas as expectativas resistirão!)

Até confiar em nós mesmos fica difícil quando traíram nossa confiança. Afinal a gente se enganou, não foi?

A confiança no resultado das nossas ações. A confiança em Deus... 
Mas e se os resultados saem diferente do esperado? Desconfiamos de nós?
E se passamos por uma difícil provação? Brigamos com Deus?
Puxa... vira e mexe vemos nos noticiários pessoas, circunstâncias, empresas, partidos... tudo parecia tão sólido e confiável... e os castelos desabam diariamente.

A confiança requer ir além desses fios... 
A confiança é uma entrega. Entrega de que tudo está certo, ainda que os resultados mudem, que as dificuldades surjam, que o outro lhe traia a "confiança", que a casa caia.
Afinal a expectativa é nossa, é do pequeno eu. E tudo que de fato acontece é a engrenagem correta da vida, visando nosso "despertar" - num ensinamento que é o que de fato importa.

Não acredito que os medos surjam dos problemas da confiança. Acredito que estejam além disso num sistema de exclusões, e que uma quebra de confiança pode apenas delatar o medo.

Se confiássemos pra valer... não temeríamos a nada, já que o que fosse que fosse acontecer seria sempre o melhor para nós naquele momento.
Mas ok, eu sei... somos humanos... e ainda desconfiamos porque vira e mexe esquecemos. Nosso corpo emocional se abala e damos crédito à mente, no pequeno eu. 
Se confiar ainda dá medo, o melhor que podemos fazer por hora é não fingir que não temos medo.
Mas não desista nunca de confiar! 

E falando nos óleos essenciais, são os amadeirados (como cedro, sândalo, breu, olíbano,copaíba) e terrosos (como vetiver, patchouli, túrmerico, etc) e também os árboreos (como cipreste, espruce, junípero, pinheiros, tea tree), que ajudam a desenvolver a força interna e relembram ao nosso Ser sobre confiança.

O autoconhecimento e agir com honestidade ajuda na confiança. Porque se somos verdadeiros conosco acreditaremos que o outro também seja. Se enxergamos a nós sem máscaras, passamos a ver o outro com transparência. Tudo é um espelho. E se vemos com verdade, sem enganos. E sem expectativas= sem decepções.
E caso a gente se engane, melhor voltar o olhar para si. Dar uma boa olhada nos medos e ver o que há por trás deles, o que não foi esquecido, perdoado, aceito.

Respondendo a primeira pergunta... Sim, é na confiança que os medos ficam pequenos.

Refletindo sobre confiança nestes dias, lembrava da cena abaixo... o lançar-se sem fios...
Pois é, a confiança mora dentro - no coração - bem além dos fios visíveis do pequeno eu.



Confie apesar de todas as dúvidas


Osho

         Buda diz: Faça o que você tem de fazer resolutamente... Mas, por resolução, ele não quer dizer vontade, como o significado comum nos dicionários. Buda é obrigado a usar as palavras de vocês, mas ele dá um novo significado às suas palavras. Por ‘resolução’ ele quer dizer “a partir de um coração decidido” – não a partir da força de vontade, mas a partir de um coração decidido. E lembre-se: ele enfatiza a palavra ‘coração’, não a mente. Força de vontade faz parte da mente. Um coração decidido é um coração sem problemas, um coração que não mais está dividido, um coração que chegou a um estado de tranqüilidade, de silêncio. Eis o que ele chama de “um coração decidido”.
        “Faça o que tem de fazer resolutamente, com todo o seu coração.” Lembre-se da ênfase no coração. A mente jamais pode ser uma – por sua própria  natureza ela é muitas. E o coração é sempre um – pela sua própria natureza ele não pode ser muitos. Você não pode ter muitos corações, mas você pode ter muitas mentes. Por quê? Porque a mente vive na dúvida e o coração vive no amor. A mente vive na dúvida e o coração vive na confiança. O coração sabe como confiar – é a confiança que o torna um. Quando você confia, de repente você fica centrado.
        Daí a significância da confiança. Não importa se sua confiança é na pessoa certa ou não. Não importa se sua confiança será explorada ou não. Não importa se você será enganado por causa de sua confiança ou não. Há toda a possibilidade de você ser enganado – o mundo é cheio de enganadores. O que importa é que você confiou. É a partir de sua confiança que você se torna íntegro, o que é muito mais importante do que qualquer outra coisa. Não é uma questão de que primeiro você tem de estar certo se a pessoa é digna de confiança ou não. Como você estará certo? E quem vai pesquisar?
        Será a mente, e a mente sabe somente como duvidar. Ela duvidará. Ela duvidará mesmo de um homem com Cristo ou Buda. Ela não pode nem ajudar a ela mesma.
        Assim, lembre-se: confiar não quer dizer que primeiro você tem de pesquisar, que primeiro você tem de deixar as coisas certas, garantidas e, então, confiar. Isso não é confiança, isso realmente é dúvida – como você esgotou as possibilidades de duvidar, daí você confia. Se uma outra possibilidade de dúvida surgir, você duvidará novamente. Confie apesar de todas as dúvidas, apesar do que o homem é ou do que o homem vá fazer. Isso é do coração, vem do amor.
        Quando você confia e ama com um coração decidido, isso traz transformação. Então, você nunca hesita. A hesitação simplesmente o mantém aos pedaços.
Dando um salto quântico, sem nenhuma hesitação ou apesar de todas as hesitações, você se torna íntegro. A hesitação desaparece, você se torna um. E tornar-se um significa libertar-se - libertar-se da própria multidão estúpida que existe dentro de você, libertar-se de seus pensamentos e desejos e memórias, libertar-se da própria mente".
            





31 janeiro, 2017

Medo... que dá medo do medo que dá!

por Milene Siqueira

*com trechos da música Miedo, de Lenine.

_____________

Medo.

Temos o medo básico, inato, do físico. Este assusta pouco, porque faz parte da sobrevivência humana.
E tem medo adquirido de todo nome, tipo e tamanho. Dos medinhos às fobias - ao Pânico, o medo de ter medo.



Medo... que dá medo do medo que dá!*


Ganhe na loteria e medos que você jamais imaginou poderão surgir num segundo.
Se apaixone e o medo vem colar do ladinho.
Porque o medo é da identidade humana o seu apego.
E ao invés de compreender o medo, tentamos fugir ou combatê-lo. Firmamos contratos, assinamos papéis, construímos muros, afastamos pessoas, buscamos ajudas de eliminação ou criamos rotas de fuga. Fugindo ou amarrando, "protegendo", damos nós bem apertados, apartamos. E sufocamos! E mais medo e ramificações do medo surgem...

O medo se fez das imagens observadas, absorvidas de outros medos; do movimento, da percepção do ambiente, dos gestos, das palavras mal e não ditas por medo; das pessoas excluídas por temor/vergonha; das vozes alarmantes e dos pensamentos sombrios; e também daquelas promessas "seguras" que por medo foram compradas. E que agora são pagas no relapso, na embriaguez, na estupidez, na morbidez..., afastando-o do que seu coração pode, sonha, anseia.


Medo estampado na cara ou escondido no porão
O medo circulando nas veias
Ou em rota de colisão


O medo não é exatamente meu, nem seu. Mas se torna do "eu", do "meu", da identidade e da posse (apego).

O medo é domínio do aglomerado - da memória, das imagens, do tempo, da fala, dos sentidos, das ações, da matéria, do mundo, de todo mundo. E nisso, de tudo aquilo que foi "por medo" de alguma maneira excluído - que ficou "mal-dito".



O medo é medonho, o medo domina
O medo é a medida da indecisão


Indecisão, onde nenhuma aposta é feita, que deflagra medos escondidos nos subterrâneos da mente.
Medos que se escondem, medos disfarçados, medos sem nome... dos males, estes os piores.

E aquele medo chamado de amor e zelo? Da verdade que você esconde de você mesmo - que finge que faz o que faz - não pelo amor mas sim pelo medo. 

Não tem jeito, todo negativo se resumirá ao medo. 


Tenho medo de parar e medo de avançar
Tenho medo de amarrar e medo de quebrar
Tenho medo de exigir e medo de deixar


Medo é estar preso aos dois extremos. Um pé de cada lado. 
O medo de ir é o de ter que ficar. O de ficar é também o de ir.
Como ganhar é ter de perder...

No corpo o medo não é o desconforto. Desconforto é localizado, pode aparecer no peito, ou como sensação de que algo não se encaixa pra você, mas há lucidez. O medo te toma inteiro, é emocional, turvo, confuso.

E cuidado, não vá confundir! O cuidado não é o medo. Mas se falta ou excede, cuidado! Aí medo ele é! 


O medo é uma linha que separa o mundo
O medo é uma casa aonde ninguém vai
O medo é como um laço que se aperta em nós
O medo é uma força que não me deixa andar


O medo esconde, divide. Afugenta, acorrenta.
O medo junta, acumula. E ao suficiente chega nunca...
O medo cobra, exige, aflige.
O medo é esforço, luta, cansaço.
O medo adia e tem pressa. Ânsia e deprime.
O medo põe de lado, desvia o olhar, exclui e aniquila.


O medo é uma sombra que o temor não desvia
O medo é uma armadilha que pegou o amor


O medo é a medida da falta.
O medo é o preconceito, a violência, inveja, ciúmes, ganância, soberba, vaidade, luxúria.
É a gula e a preguiça desmedida. É o roubo e a avareza. 
Tipos de medo, que são frutos do próprio medo. 
Erradicar a violência, por exemplo, não é atacando-a, mas revelando os medos. Para daí então mudar as formas que o medo criou.



O medo é uma chave, que apagou a vida
O medo é uma brecha que fez crescer a dor


Os medos visíveis nascem dos medos invisíveis, ou talvez, de um único medo sem nome.

Todo medo teve origem em outro medo. Nasceram do medo de abandonos, rejeições, vergonhas, resistências. Portanto medos pedem por aceitação. Entenda que o que é aceito é para ser mudado, liberado, integrado e não "carregado". Só carregamos aquilo que não foi aceito.
E medos escondem medos. Se não é aceito, o medo além de continuar escondendo outros medos, não permite que a origem se revele. Continua lacrado, escondido e dando medo. E medo escondido é forte, sorrateiro, comanda e pega a gente do nada, e age onde nem imaginamos.

Fale sobre, escreva, desenhe ou cante, e atravesse os medos. Revele-os. "Ben-dite-os". 
A humildade para aceitar e revelar o medo é uma necessidade.

Tente sentir onde o medo habita no seu corpo, e imagine inspirando partículas de amor e expirando as emoções, dores e pesos, deixando com que as sensações que fizeram seu corpo emocional se armar de uma falsa coragem - as couraças - relaxem.

Lembre-se sempre que o dá forma ao medo é o pensamento. Por isso, vigie e não fique ligado a pensamentos de medo. Deixe as negatividades passarem para não arranjar novos medos, e nem fique polindo os antigos! Aceitar o medo significa libertar e não continuar apegado. 
Alimente o bem, a união, o centro, o coração, a paz.

Silenciar a mente, observar o medo, aceitá-lo, desapegar, cultivar a fé no Bem - eis o processo.

Abra as portas para o medo... aquele, rs... que dá medo do medo que dá!



Medo... que dá medo do medo que dá
Medo... que dá medo do medo que dá





*

22 dezembro, 2016

Natal 2016




Somos apenas nós que impedimos a passagem da Luz,
com tantas imagens que criamos e recriamos,
 a cada inverdade,
a cada comparação,
a cada interpretação,
a cada comparação,
a cada pretensão,
a cada expectativa,
em cada pensamento.

Um 2017
com verdade/
 transparência,
com sentir,
com realidade,
com liberdade
com alegria,
com intuição,
com risos e festas,
com amor,
e Consciência! 

Gratidão a todos que acompanham o blog, o site, a Loja, aos amigos, fornecedores e clientes.
Que se estenda mais um ano de harmonia e paz!

Muito obrigada!
Milene Cristine Siqueira




*

30 novembro, 2016

Completude

por Milene Siqueira

O observador é o observado.
Jiddu Krishnamurti

Imagine sua mente como um quebra-cabeças, você pega uma das pecinhas e a analisa. Aquela pecinha a sua frente que você examina, discute e interpreta, é uma pecinha que se separou do todo. 
A mente é como uma tesoura: fragmenta, separa. Essa é a sua função, que na vida prática funciona muito bem, mas que na vida psicológica não teria a mesma necessidade.

Nossa sombra é pequena. 
Do tamanho de uma criança.

Quando nascemos ainda não somos mente. Mas durante o crescimento e em toda infância nossa mente vai se desenvolvendo, e igualmente vai "recortando", vinculando e colecionando "faltas". Podemos crescer e nem nos darmos conta que o grande problema que vivenciamos tem a ver com as faltas sofridas. Principalmente aquelas que irão se repetir com a mesma temática.
A "falta" pode ter sido sentida pela ausência de convivência com o pai ou mãe, falta de cuidados, limites, alimento, educação, ética, segurança, confiança e por aí vai. Resumindo, a criança só sabe receber e vai colhendo experiências, e no que não pode estabelece a falta. E tem as faltas ocultas, que ficam em camadas bem mais subterrâneas do nosso inconsciente, pois nem se quer tivemos ciência delas um dia, como os segredos de família. Mas a sentimos. 

Aí na vida adulta vamos encontrando através das pessoas e das situações os mesmos "recortes" que fizemos. As figuras serão novas, mas o formato dos recortes é bem antigo. Cada situação traz consigo uma nova possibilidade de integrar o recorte à sua unidade.

Normalmente queremos nos livrar de todo tipo de problema. Resolver. Krishnamurti dizia que qualquer tentativa de solução no campo psicológico não resolve. Podemos ter um certo alívio por um tempo, podemos trocar de "figura", e também nisso tudo há a grande chance de criar novas peças-figuras. Mais figuras e mais confusão. Desejar resolver só alimentaria a confusão. Enquanto você tenta resolver com a mente, você reforça o olhar para a peça separada. Fortalece, dando mais energia a cisão. Todo conflito permanece ou retorna pela continuidade desta separação.



"Você não precisa de soluções, precisa de clareza"
Osho

Só quando você observa que o problema que você vê ou sente, é você mesmo (ainda que seja das memórias presas ao campo do seu sistema, DNA, vidas passadas - a interpretação que tiveres); quando observa que essa pecinha está simplesmente fora de seu lugar -  sem necessitar de reparos ou de sumir da sua vida - mas apenas ser integrada, é que então será possível tornar inexistente o conflito.

Isto é similar a filosofia do Ho'oponopono (método de cura Kahuna). Ao imaginar à sua frente a pessoa ou situação de conflito que está em seu ambiente, e dizer sentindo de coração: "sinto muito, me perdoe, te amo, sou grato", você estaria acionando a espiritualidade (ou a Presença/Ser/Luz) a atuar e integrar a pecinha solta. 


No processo do Ho'oponopono você também pode imaginar a si mesmo, partes do seu corpo que doem, do seu emocional, suas dificuldades. Não interprete muito, lide com os fatos.


O "recorte" é uma crença de separação (de crença no mal) ilusória. Similar a uma miragem, a situação-figura não importa tanto. Sendo assim, você não precisa buscar a situação de origem. Cada nova situação de repetição traz consigo o reflexo da situação/"crença" original. Se for necessário, as situações primárias irão se abrindo, através de revelações ou de sonhos. E aí você pode continuar o processo do Ho'oponopono através do que lhe for sendo mostrado.

Claro que para a mente-ego separatista isto tudo é incompreensível, sem lógica. A mente só pode acessar a um fragmento da questão, e tende a ver de forma egoísta. Não peça da mente o que não lhe compete. Coloque-a no seu coração!

Não precisamos de técnicas para unir, mas elas facilitam. Ho'oponopono, EFT, meditação, orações, florais, óleos essenciais, mantras, entre outros... são puros canais de abertura do coração.


Lembre-se que o amor incondicional que é a unidade, a tudo integra. E para tanto precisa estar livre da mente-ego: se isentar de julgamentos, comparações e do excesso de interpretações. Deixe de sustentar crenças no mal. Diminua o fluxo de pensamentos.
Pode ser que sua mente insista em lhe lembrar das mágoas e desavenças. Deixe-a lá. Não dê energia ao assunto nem mesmo repreendendo-se por lembrar, só continue no coração, abençoando. 
Quando olhar para as pessoas que lhe magoaram, lembre-se que todos tiveram seus condicionamentos (incluindo você). Veja as pessoas como se fosse a primeira vez, sem pré-conceitos, as veja no Aqui e Agora, sem a cisão do passado entre vocês. Lembre-se do fato de que o observador e o observado são um só, não separe novamente. Una!

O Reino nunca esteve distante, sempre esteve no Aqui e Agora:


"Jesus viu crianças de peito a mamarem. 
E ele disse a seus discípulos: Essas crianças de peito se parecem com aqueles que entram no Reino. 
Perguntaram-lhe eles: Se formos pequenos, entraremos no Reino? 
Respondeu-lhes Jesus: Se reduzirdes dois a um, se fizerdes o interior como o exterior, e o exterior como o interior, se fizerdes o de cima como o de baixo, se fizerdes um o masculino e o feminino, de maneira que o masculino não seja mais masculino e o feminino não seja mais feminino - então entrareis no Reino."
  
Evangelhos Apócrifos - Tomé







*


16 outubro, 2016

Relacionamentos da Nova Era

Texto bem longo, mas muito esclarecedor. Não entendo muito se é da 3° D para a 4°D ou 5°D, e talvez estas dimensões já estivessem ai desde sempre, pois em toda época houveram pessoas a frente do "tempo", criando união e amor incondicional. Mas é fato que também temos uma onda de maior abertura e abrangência, e que traz uma nova expressão social. E como a base da sociedade são os relacionamentos, é neste que é primeiramente sentido, então vale ler e refletir acerca:

______

Por que os relacionamentos mudaram tanto?
O que as pessoas buscam num relacionamento na Nova Era?
Seus relacionamentos são do tipo Nova Era?

Estamos vivendo um período de aceleração devido a ação da luz recebida por nosso planeta desde finais da década de 1980.

A ação dessa luz que nos coloca em contato com as manifestações da 4ª dimensão é visível em todos os setores da vida humana. Especialmente nos relacionamentos.

Mudanças que levavam décadas para se operar, hoje levam cerca de 1 ano. Estamos abandonando as estruturas da 3ª dimensão que são baseadas no medo e na separação e ingressando no plano da 4ª dimensão que é de amor e unificação.

É um momento de escolha. Você pode escolher continuar acreditando e vivendo de acordo com os dogmas da 3ª dimensão, baseados no controle, na satisfação dos seus interesses egóicos, ou aceitar a via amorosa da 4ª dimensão sem preconceitos e julgamentos racionais típicos da 3ª dimensão.

Observe: você está analisando estas palavras com a argumentação da sua mente e dos seus conceitos técnicos, ou está sentindo cada uma dessas palavras em seu coração como verdades que tem realidade dentro de você? É um bom teste para saber se você está optando pela 3ª ou 4ª dimensões.

Como as mudanças em direção à 4ª dimensão estão afetando os relacionamentos?

OS RELACIONAMENTOS FORA DE SINTONIA COM A NOVA ERA | CARACTERÍSTICAS DOS RELACIONAMENTOS DE 3ª DIMENSÃO

Os relacionamentos baseados na 3ª dimensão (separação e medo) têm as seguintes características:

SEGREDO 

Na 3ªD fazer segredo dentro dos relacionamentos (casamento, amizades, profissão, família, etc.) é tido como normal. Um direito à privacidade. Mas quem quer privacidade é o EGO e não a Divindade. E como você não é nada além do que DEUS aqui e agora, não é da sua natureza divina querer guardar segredos dos outros.

Isso é um vício próprio do seu EGO, que é da 3ªD. Fazer segredo é segurar para si informações. Isso é estar separado do seu próximo, e separação é algo que terá de ser eliminado para que possamos acessar a 4ªD. Na 4ªD segredos serão impossíveis de ser mantidos!

Veja por exemplo a disposição de Julian Assange, o fundador do Wikileaks, em colocar às claras o relacionamento entre as nações. E quanto reação em contrário pelas forças retrógradas que ainda pensam conforme a 3ª dimensão, baseadas apenas no EGO.

Pode você imaginar um mundo onde todos são um livro aberto e ninguém tem nada a esconder de ninguém? Um mundo onde ninguém tem medo do julgamento do outro, porque não haverá julgamento e somente aceitação plena da manifestação de cada um, seja ela qual for?

Se você acha tudo isso muito utópico é porque está raciocinando baseado nos padrões de comportamento da 3ªD, está usando conceitos e preconceitos racionais e tecnicistas que dão muito orgulho ao seu EGO.

Não está acessando com o seu coração a 4ªD.  Se você não é capaz de sentir a força e a realidade desse mundo que você considera utópico é porque já optou por continuar na 3ªD.

Não há problema algum nisso. É perfeitamente aceitável viver na 3ªD. Afinal é o currículo que você decidiu cursar para melhor encontrar a sua evolução.

Não se pode julgar as escolhas de ninguém. Cada um escolhe as experiências que são necessárias para si. Se para você é necessário viver na 3ªD, ótimo. Se sente que quer optar pelo currículo da 4ªD, ótimo também.

Tudo é aceitável, pois tudo é divino. Toda escolha é divina. Mas ao optar pelo currículo de 4ªD, saiba que segredos deverão ser revelados e compreendidos a luz do entendimento do seu Espírito. Segredos serão compartilhados e jamais julgados.

Ame aquilo que era segredo para você e aquilo que era segredo para os outros. Eles foram ferramentas necessárias durante sua jornada pela 3ªD.

Pois esses milênios de experiência humana na 3ªD tiveram como objetivo desenvolver o EGO, ou seja, a sua individualidade.

Agora, ingressando na 4ªD, o EGO não será mais necessário, pois tornou-se uma ferramenta obsoleta. Uma bagagem que não permitirão que leve com você ao passar pelo portal para a 4ªD.

MONOGAMIA BASEADA NO MEDO 

Uma boa parte dos relacionamentos se originam e se mantém às custas do MEDO. Medo da solidão, do desamparo, da não aceitação social, da inadequação aos padrões da cultura vigente, etc.

Uma crença errada na 3ªD é a de que você tem que encontrar alguém para cuidar de você.

Isso é uma ilusão! Somente você pode cuidar de você. Somente você, quando conectado com a divindade interna, pode saber quais são suas necessidades e agir para satisfaze-las.

Jamais deverá esperar que alguém preencha suas necessidades, ou que tenha o dever de preencher suas  necessidades só porque está junto de você. Isso é um dos dogmas que a cultura programou em nossas mentes.

Devemos nos livrar dele. Ninguém será capaz de lhe fornecer segurança. Ninguém tem a obrigação de lhe oferecer segurança. Muitas pessoas vão para o casamento para sentirem-se seguras.

Mas o que isso acaba gerando é frustração, cobranças e conflitos. Se você está conectado à sua natureza interna, que é DEUS, não tem que buscar a segurança em nada externo a você.

E se você acha que estar seguro é colocar-se numa situação em que você tenta diminuir os riscos de atrair situações negativas, então você não sabe o que é realmente estar seguro.

Refugiar-se em relacionamentos, apólices de seguro, doutrinas religiosas, práticas místicas ou qualquer outra coisa externa para “proteger-se” é cair no jogo da ilusão, pois na 3ªD não existe segurança.

O que você tiver de viver para o seu aprendizado você viverá! Estar seguro é compreender com o coração que tudo o que está acontecendo ou que irá acontecer é divino, até mesmo os seus infortúnios.

É aceitar o fluxo da vida, sem resistir a ele. Pessoas que buscam segurança em algo externo não confiam no fluxo da vida e na sua natureza divina. Na 3ªD ensinaram que você não é nada.

Que você está sujeito a forças invisíveis, a carmas negativos, e que, portanto, você não passa de uma marionete nas mãos dessas tais “forças invisíveis”.

Daí vem o medo de viver e a busca por refúgio nos relacionamentos, nas religiões, etc. Já na 4ªD você irá descobrir que você é DEUS! Esconderam isso de você para poderem controla-lo com dogmas, falsas crenças e, principalmente, através do MEDO. Se você sabe (e SENTE!) que é DEUS, e não algo separado dele, não há o que temer.

AMOR CONDICIONAL 

Aqui está o jogo de interesses do EGO, muito típico da 3ªD. Significa que você só vai amar tal pessoa se ela preencher as suas necessidades.

A outra pessoa não é obrigada a ser o que você quer que ela seja.

Eis aí mais uma vez o jogo de ilusões que gera frustrações, decepções, conflitos  e traições.

Um relacionamento assim não é baseado no AMOR e sim em condições.

Você faz uma lista de condições que convém ao seu EGO e sai a procura de alguém que satisfaça cada um desses requisitos. Você faz questão de estabelecer os seus gostos físicos e comportamentais em relação ao parceiro e só se sente feliz  quando ele “simula” que está satisfazendo tais exigências.

Afinal, o seu parceiro não é o conjunto de suas exigências, ele é DEUS, assim como você O é. Então vem a famosa frase de que o relacionamento é troca. Só que essa troca de que se fala na 3ªD é você fazer isso pra mim e eu faço isso pra você. E se uma parte deixa de honrar o tal compromisso, aparece o conflito.

Na realidade, para a 4ªD, trocar é compartilhar o divino de cada um, sem exigências pré-estabelecidas, sem bater contratos, sem estabelecer regras de convivência. Se você e a outra pessoa são DEUS, como estabelecer regras para o encontro entre divindades?!

Utópico? Então permita-se lançar mão de suas exigências, de suas condições e olhar para o outro como representante de DEUS, e sinta isso de verdade no seu coração, sem fingimentos de conveniência.

Aceite as pessoas totalmente, e ame cada virtude e defeito delas. Se você acha que é utópico, é porque acha que você não é capaz de fazer isso. Se acha que não é capaz de fazer isso é porque não acredita de verdade que você é DEUS. E, se sente-se como algo separado de DEUS, caiu no jogo da ilusão e será presa de diversos medos que paralisaram seu crescimento em direção à luz.

Se, por outro lado, você acredita que é capaz de amar o outro sem condições, e que ou outros é que não são capazes de fazer isso, porque o mundo é ruim, então você não acredita que os outros são DEUS. Caiu de novo na armadilha da separação e da ilusão da 3ªD.

Se você atrai para si relacionamentos com pessoas que parecem insistir em NÃO acatar as suas condições, isso é um recado para você dizendo que suas condições devem ser abandonadas, que elas são crenças falsas (típicas da 3ªD) que o impedem de viver a VERDADE.

EXPECTATIVAS 

Quando você entra num relacionamento, sem saber você projeta sobre o outro um jogo de expectativas. Um parceiro é usado por outro para satisfazer suas necessidades.

Nos relacionamentos de 3ªD as pessoas projetam suas expectativas em coisas externas.

Toda projeção é ILUSÃO. Como esperar que alguma coisa fora de você o satisfaça?

Você pode se entreter algum tempo com elas, como se fossem brinquedos.

Mas logo o interesse migra para outras coisas, e a pessoa fica eternamente presa num mundo de projeções, seguindo de brinquedo a brinquedo, como quem segue quadro a quadro uma película de cinema.

Isso é ILUSÃO! É perder-se, desconectar-se com sua natureza que é DIVINA. Se você não projetar expectativas no parceiro, estará aberto para descobrir quem ele realmente é, em vez de vesti-lo com as características (que jamais são reais) que você projeta.

Muitas pessoas na 3ªD passam e passaram suas vidas relacionando-se com suas próprias projeções e nunca se permitiram uma relação entre o seu divino e o divino do outro. Na 4ªD não há lugar para projeções, apenas para a VERDADE nua e crua.

E como na 3ªD nós julgamos o tempo todo as pessoas segundo a programação de valores da nossa cultura e moralidade (que são falsos!), parece natural para nós projetarmos expectativas sobre os outros para torna-los um “produto aceitável”.

Aquela pessoa não parece boa o suficiente segundo os valores que carrego, então eu cubro essa “feiúra” com uma roupagem que são minhas projeções.

Agora sim, “vestida a caráter”, ela está pronta para me servir num relacionamento. Isso é um jogo que traz muita manipulação, dor, decepção e até violência.

MANIPULAÇÃO 

É disfarçada, encoberta. Na 3ªD existem inúmeros padrões de manipulação nos relacionamentos.

Tecer estratégias para que o outro aja de acordo com os seus planos e interesses é manipulação, controle e, portanto, revela alguém totalmente dominado pelo MEDO.

Se você está conectado com sua fonte natural e sabe que tanto você quanto a outra pessoa são experiências da divindade, não há porque desejar que determinada pessoa aja dessa ou de outra forma. Pois você sabe que, sendo ela DEUS, toda e qualquer ação que parta dela é necessária para a sua experiência e, portanto, está absolutamente CERTA.

Mas quando estamos desconectados do DIVINO e não nos reconhecemos como representantes de DEUS e nem reconhecemos os outros como tal, nossa tendência é julgar os atos dos outros como certos ou errados.

Daí vem a necessidade de apontarmos para a pessoa qual a atitude que ela deve tomar e cobrar dela que aja assim ou de outro modo. Mas sempre apontamos o que deve ser feito segundo o nosso conjunto de crenças. Se eu fosse você acharia melhor fazer isso de tal maneira, é o que dizemos sempre.

Mas sua jornada aqui é uma e a dela é outra. Permita que cada um aja conforme suas necessidades divinas. E ame cada ato, seja ele bom ou ruim segundo o seu julgamento.

Seria você capaz de amar um assassino entendendo que essa atuação é divina, pois há um aprendizado acontecendo ali? Se você acha isso utópico, então pergunte-se para que Cristo esteve por aqui então.

Ele soube amar até mesmo os seus traidores e agressores. Ele acreditou que era capaz de fazer isso porque sentia plenamente que era DEUS. E também acreditou que cada semelhante é capaz de fazer isso e nos disse isso com suas palavras.

Por que então insistimos em não acreditar nisso, rotulando como utopia?

Resposta: nós não nos permitimos ser AMOR e não permitimos que outras pessoas sejam AMOR devido ao fato de acreditarmos na programação genética e cultural da 3ªD egóica. Deixe as pessoas ser o que elas precisam ser!

NECESSIDADE DE CONTROLE 

Pessoas que controlam outras pessoas fazem isso porque não conseguiram aprender a habilidade de CONFIAR.

Então aparece a necessidade de controlar cada ato, de estar o tempo todo interferindo na vida do outro tentando guia-lo segundo o seu conjunto de princípios.

Essas pessoas preferem confiar nesses princípios (herdados genética e culturalmente) do que entregar-se e confiar no fluxo natural da vida. Segundo a sua ótica, você julga que determinada pessoa está se encaminhando de forma errada, e você vai até ela todo solícito oferecer a sua ajuda, que na verdade é uma forma de você faze-la abandonar o caminho que ela escolheu e adotar o seu (e você acredita que só o seu é o correto).

Pessoas que agem assim não conseguem confiar que a própria vida se  incumbirá de ensinar o que cada um precisa. Relaxe e CONFIE. Tudo está sempre se encaminhando BEM.

E se você acha que não e quer ir contra o que acontece porque seu EGO sente-se desmerecido, enfrentará conflitos e mais conflitos até que aprenda a não mais resistir.

As coisas às quais você mais resiste são justamente aquelas mais necessárias ao seu aprendizado. E quanto mais você nega e resiste a uma pessoa ou circunstância, mais você atrairá isso tudo com mais intensidade até que você aprenda a entregar-se e confiar. Quando parar de resistir, tudo a que você resistia desaparecerá de sua vida num passe de mágica. Isso é uma LEI!

OS RELACIONAMENTOS SINTONIZADOS COM A NOVA ENERGIA | CARACTERÍSTICAS DOS RELACIONAMENTOS DE 4ª DIMENSÃO | RELACIONAMENTOS DA NOVA ERA

Os relacionamentos baseados na 4ªD (Amor e Integração) têm  as seguintes características:

HONESTIDADE 

É a polaridade oposta ao segredo. A honestidade precisa ser praticada pelos parceiros e em qualquer tipo de relacionamento.

Para isso você tem de ser honesto com você, com o amor divino que há em você. Como ser honesto consigo mesmo? Faça a seguinte pergunta: Meu coração aprova isso?

Jamais pergunte se sua mente, se sua moralidade, se seus interesses egóicos, se sua doutrina religiosa, se sua cultura ou época aprovam isso. É o coração que tem de aprovar. Mas se até hoje você só soube ouvir as respostas de todas as outras coisas citadas acima, está na hora de começar a praticar a arte de ouvir o seu coração.

Os sentimentos que o motivam são mesmo do seu coração ou do seu EGO? Sabe você diferencia-los?
Uma dica: a aprovação que vem do coração JAMAIS impõem condições! Somente quando você começa a ser honesto consigo mesmo é que será capaz de ser honesto com os demais.

Pergunte-se: eu estou junto de tal pessoa porque meu coração aprova isso incondicionalmente, ou estou junto de tal pessoa porque me é conveniente por uma série de motivos? Quando a resposta vier, é necessário expressa-la ao parceiro.

Mas será você capaz de ser um livro aberto para o seu parceiro? Se não é, é porque tem medo das conseqüências de ser honesto. E quem tem MEDO é incapaz de ser honesto consigo e com os outros. Caiu no mundo das ilusões.

Se você é DEUS e todas as circunstâncias e escolhas estão CERTAS, não há o que temer. Abra-se para o outro e aceite amorosamente qualquer circunstância que ocorra em conseqüência disso.

Seja qual for a circunstância, saiba que ela é inevitável para o seu crescimento e se você precisa passar por ela, você passará. Mas se você julga as circunstâncias como ruins ou boas, vem a ilusão e a necessidade de manipular e controlar para que aconteçam somente aquelas circunstâncias que você (ou seja, o seu EGO) deseja.

E se você resiste à circunstância você atrai o conflito e a dor. Em resumo, ser honesto é desnudar-se sem medos, e aceitar tudo o que vier disso com amor. Se você acha difícil fazer isso, não importa. Existe o currículo de 3ªD para você experimentar o quanto quiser, até sentir que aprendeu que é possível ser honesto.

Se você sente que é possível ser honesto e deseja de coração entrar nessa experiência de praticar a honestidade, existe o currículo de 4ªD no qual você pode efetivar sua matrícula. Você é livre para escolher o que é necessário para você. Sinta-se livre para ser quem você precisa ser.

Se você precisa ser da 3ªD, SEJA! Se você precisa ser da 4ªD, SEJA! O que não cai bem é ficar em cima do muro. Isso até parece interessante por alguns momentos, pois dá pra você dar uma olhadela para cada um dos lados.

Mas a atual sobreposição da 4ªD na 3ªD cria uma condição especial de espaço e tempo em que situações são aceleradas e você acaba sendo colocado em circunstâncias de escolha. Essa é uma época de escolha. A cada momento estamos vivendo escolhas. Observe!

AMOR INCONDICIONAL 

Só pode ser entendido quando experimentado. Do contrário, o EGO o coloca no  plano da utopia.

Faça uma experiência: perdoe alguém que lhe fez algo de ruim e pergunte-se por que você atraiu e necessitou dessa experiência na sua vida. Porém, para perdoar alguém, antes você deve aprender a perdoar a si mesmo.

Isso é o processo de cura. Aceite-se incondicionalmente. Quando for capaz de fazer isso, será capaz de fazer com as outras pessoas. Olhe para todas as suas características e ame cada uma delas, mesmo aquelas que você considera não muito boas. E compreenda que cada aspecto seu é DEUS em experiência nesse plano.

Você é um mensageiro do AMOR e cada aspecto seu nada mais é do que isso. Você pode amar incondicionalmente.

Acredite! Séculos de programação na mente fizeram você acreditar que isso é impossível, que é utópico. Mas quando você SENTE que é DEUS, fica clara a sua capacidade infinita de amar. Ela está aí dentro, esperando o momento certo para ser abraçada por você.

Abrace-se. Aceite-se. Daí você estará, sem se dar conta, aceitando tudo e todos como parte de um plano amoroso de crescimento e iluminação. Você é capaz de amar incondicionalmente o seu parceiro mesmo não tendo de estar ao lado dele, acompanhando o seu crescimento.

Seu parceiro não é obrigado a crescer no mesmo ritmo que você  e nem de seguir as mesmas escolhas. Você não precisa também segui-lo. Podem estar separados no tempo e no espaço, que o amor incondicional fará com que essa separação deixe de ser real.

Na verdade essa separação é ilusória, pois duas pessoas que se amam divinamente jamais estarão separadas, pois ambas são DEUS em todo lugar e todo momento.

Mas antes, pergunte-se: Você é capaz de se amar incondicionalmente?

Sacrificar-se pelos outros não é amar a si mesmo. Isso é dogma que programaram em sua mente de que você precisa se sacrificar pelos outros. Quem está conectado com o seu SER DIVINO jamais será mártir.

O martírio está na polaridade oposta do amor; não é uma característica da 4ªD. Na 3ªD ensinam a você que ser mártir é algo positivo. O que eles querem é que você se anule, que não se ame e, portanto, não descubra quem você é de verdade.

Você é representante do AMOR. Você e todos os que o cercam são uma única coisa: DEUS. Não feche o seu coração para os seus parceiros anteriores, pois eles são parte de você. Se você os atraiu é porque eles tinham algo a lhe revelar.

E esse algo é algo seu, não deles. Seus parceiros anteriores foram espelhos que em determinadas épocas vieram em sua vida refletir uma ou mais parcelas suas que você precisava tomar consciência. Assim, cada um deles está em você agora. Eles são você!

CONFIANÇA ABSOLUTA 

Quando você está conectado com a divindade interna e reconhece no outro o que você mesmo é, ou seja, DEUS, então a confiança torna-se algo real.

Mas quando não há confiança aparece a polaridade oposta: a necessidade de controle.

Quanto mais você tentar controlar algo ou alguém, mais você atrairá justamente o caos ao seu redor, até que você perceba que  ninguém necessita de controle.

Ninguém necessita de sua interferência. O que cada um necessita é de autonomia, liberdade para ser quem eles precisam ser. Sem julgamentos, sem regras e sem imposições educacionais.

O outro é DEUS e deve estar livre para experimentar tudo o que for necessário para o seu crescimento espiritual, mesmo que aos seus olhos as experiências que ele atrai para si sejam ruins.

Quem faz esse julgamento é seu senso moral, que é da 3ªD. No universo não há moralidade. Tudo é possível e permitido.

As pessoas devem estar livres para escolherem todas as possibilidades e terem a chance de poder arcar com as conseqüências de suas escolhas e aprender com elas.

Então confie nelas. Confie nas escolhas delas e aceite-as sejam lá quais forem essas escolhas. DEUS é amor e aceitação plena. E você é representante Dele aqui.

Se você não confia no outro, acha que o outro só irá acertar o caminho na vida com a sua interferência, ou se a escolha de vida de alguém o incomoda ou causa julgamentos ruins, então você está desconectado de sua divindade interna e optando pelo currículo de 3ªD baseado na separação.

Na 4ªD só há a união de tudo com tudo, sem seleção, pré-julgamentos ou preconceitos.


PERMITIR 

É a polaridade oposta da manipulação.

Algumas pessoas acreditam que certas escolhas são melhores que outras.

Os pais e educadores vivem apontando as escolhas que devem ser feitas pelos jovens.

Mas, tais escolhas ditas “certas” são frutos da programação genética e cultural que carregamos em nós e que está na contra-mão da nossa conexão com o divino.

Faça-se a seguinte pergunta: Você se permite ser quem você realmente precisa ser? Ou você é aquilo que a cultura pede para você ser?

Se você não se permite SER, então não aceitará que outras pessoas SEJAM, e tentará controla-las, manipula-las e impor a elas normas a serem seguidas, maneiras de se comportar e fará uma lista de escolhas que acredita serem as corretas a se seguir.

Isso não é ser livre!

Quando conectado ao seu coração, sentirá plenamente que toda escolha é correta desde que seja honesta, pois há algo de divino nela. Uma escolha é honesta quando o seu coração a aprova.

Não é necessária a aprovação de seus amigos, da lei, da moral, da cultura, da educação. Você só deve acatar a aprovação do seu coração, porque é através dele que DEUS é em você. É preciso amar as escolhas que fazemos e que outras pessoas fazem, mesmo aquelas que consideramos ruins

Compromissos

Existe um erro em achar que temos compromisso com coisas externas a nós. Os únicos compromissos verdadeiros são os acordos que você faz com você. Acordos que não são com sua mente egóica, mas sim com o seu SER SUPERIOR.

Normalmente as pessoas arranjam uma série de compromissos externos, usando a justificativa de que estão trabalhando pelo próximo, mas na verdade estão vivendo na ilusão, pois estão fugindo da responsabilidade de se confrontar com o seu íntimo.

Fogem do único compromisso válido: o compromisso com sua Divindade interior.

Termo muito usado por milhares de anos nas cerimônias esotéricas, mas que é pouco compreendido.

Pode significar a união entre um homem e uma mulher, mas também pode significar a unificação do masculino e do feminino dentro de si.

O casamento é entendido como um relacionamento no qual um parceiro é o reflexo do outro. Relacionar-se nada mais é do que enxergar-se nos outros.

No casamento sagrado, ambos os parceiros estimulam um ao outro para o crescimento e jamais julgam ou reclamam um do outro. Ambos são capazes de ver nos olhos do outro o reflexo do divino que há dentro de si.

Você já se viu no olhar do seu parceiro alguma vez? Tente! O Divino é revelado no outro para você. E assim você começa a enxergar uma imagem da divindade.

Porém, você não precisa ter um parceiro ou parceira para ter o casamento sagrado. No final, todas as parcerias são etapas intermediárias até que você realize a unificação entre seu aspecto masculino e seu aspecto feminino.

Este é o real casamento alquímico, a unificação e integração com o aspecto divino dentro de si.


Como os chacras afetam seus relacionamentos 
Os Sete Centros da Consciência e os relacionamentos que eles atraem

Cada chacra focaliza uma das cores que compõem a luz branca divina.

1º chacra: base da espinha, cor vermelha. Tem a ver com sua identidade básica. É o aterramento do seu corpo físico. É ele que atrai as situações para você poder exercitar sua individualidade. O raio vermelho é a maior concentração de energia amorosa no plano físico.

2º chacra: abaixo do umbigo (útero), cor alaranjada. É o centro emocional, centro da sexualidade e da criatividade. Através dele a energia de sua individualidade que vem do 1º chacra  encontra uma porta para realizar criações com a marca de sua identidade. Você pode criar livremente de acordo com sua identidade do 1º chacra.

3º chacra: plexo solar, cor amarela. Cria ação. Cuida da sua habilidade de criar ação.

4º chacra: coração, cor verde. Lida com sua habilidade de dar e receber.

5º chacra: garganta, cor azul. Habilidade de comunicar.

6º chacra: terceiro olho, cor índigo. Visão interior. Habilidade de percepção interna.

7º chacra: coroa, cor branca. Reflete sua relação com Deus e o Universo.

Certos chacras são masculinos, ou seja, emanam energia. Outros são femininos, isto é, recebem energia.

Os chacras masculinos são: plexo solar e garganta – ação e comunicação respectivamente.

Os chacras femininos são: chacra uterino e o terceiro olho – criatividade e intuição respectivamente.

Os chacras básico, cardíaco e coronário são ambivalentes.

As mulheres operam através do chacra emocional (o 2º). O segundo chacra se cristaliza na mulher como o útero, sede da criação, e no homem na próstata. Problemas na expressão da criatividade e do emocional causam doenças nesses órgãos.

O bloqueio emocional e criativo chega ao seu último estágio com a perda desses órgãos, normalmente por câncer que é cristalização do MEDO.

A menstruação é uma limpeza do centro emocional e criativo. O raio laranja representa troca de emoção.

O homem é incapaz de pegar emoção com uma mulher. Quando as mulheres começam a se expressar emocionalmente, os homens não entendem, e acabam indo procurar os amigos para beber uma cerveja ou assistir um futebol.

Somente homens que estejam integrados com seu aspecto feminino é que conseguem compartilhar do ambiente emocional das mulheres.

A emoção para a mulher é uma janela e elas veem o mundo através dessa janela. E se o homem quiser ter um bom relacionamento com uma mulher terá de aprender a ver o mundo por essa janela.

O plexo solar é masculino e orientado para a ação. Enquanto a mulher busca emoção, o homem tenta supri-la com ação.

A mulher vem a ele para contar sobre suas emoções, seus problemas. O homem em vez de ouvir e compartilhar da janela da emoção para enxergar a situação da mulher, ele acaba partindo para ação.

Ou seja, vai consertar uma torneira, fazer algum reparo ou sair a rua pronto para brigar em nome de sua parceira. Mas ela não espera nenhuma atitude do homem, apenas quer que ele se sente ao lado dela e viva emocionalmente com ela naquele momento.

A mulher busca o romance. O homem a ação (que na maioria das vezes é o próprio ato sexual). Homens e mulheres buscam o preenchimento por dois caminhos diferentes: emoção e ação. Isso é muito óbvio. Mas poucos se dão conta disso no mundo!

A história humana é masculina. Ela é feita de grandes ações, de grandes feitos. Nos livros de história encontramos muitas guerras, heroísmos, conflitos, mas muito pouco romance. Em inglês é possível se fazer o seguinte trocadilho: History = His (dele) story (história). Ainda não foi contada em nosso planeta a Herstory = Her (dela) story(história).

Voltando aos relacionamentos da nova era, vemos que o homem que você atraiu representa o masculino em você. A mulher que você atraiu representa o feminino em você.

Amar significa viver em outra pessoa. Se você é capaz de fazer isso, nunca mais irá brigar ou lutar. Pois ao viver no outro, saberá que ele é o que você também é.

E, portanto, não há mais polarização e combate. Mas para viver no outro, você tem de se tornar totalmente vulnerável a outra pessoa.

Você é capaz de se tornar totalmente vulnerável? Derrubar todas as muralhas e armaduras que o separam dos outros?

Quanto mais vulnerável você estiver, mais próximo do amor você estará. Quanto mais barreiras, muralhas e armaduras você construir ao seu redor acreditando na ilusão da invulnerabilidade e da proteção, mais distante de sua natureza divina você ficará.

Mas as pessoas têm medo de tornarem-se vulneráveis e daí não atraem para si uma pessoa que as ame. Uma pessoa que se queixa de não encontrar um amor é uma pessoa que não se permite ser totalmente vulnerável a qualquer pessoa, sem distinção ou preferências.

Você deve se desnudar e se abrir para qualquer um que venha a você pela lei do amor. Mas nossos medos e nossos julgamentos criam impedimentos para isso. Uma pessoa incapaz de ser vulnerável é incapaz de se amar. Porém, chegará um momento em que, por mais que a pessoa negue o amor, será impossível escapar de sua própria origem.

Integrando o masculino e o feminino dentro de você

A chave de todos os problemas de relacionamento é a INTIMIDADE. A falta de intimidade é a causadora de todos os conflitos dentro dos diferentes relacionamentos que você tem. O que é intimidade?

Intimidade significa resolver barreiras. As barreiras não são somente entre você e outras pessoas, mas sim também entre você e aspectos de si mesmo. Pessoas que julgam não são capazes de ter intimidade e não conseguem ser honestas. Se você julga a si mesmo, então não está se abrindo para conhecer-se.

O julgamento cria barreiras que o impedem de ser íntimo de si mesmo. Uma pessoa que não se aceitou por completo e vive se julgando, se recriminando, criou muralhas que a mantém separada do seu íntimo. Uma pessoa assim não está preparada para ingressar na 4ªD.

Mas se você derrubou as muralhas que o separavam de cada aspecto de sua luz e de sua sombra e os abraçou e os amou incondicionalmente, ganhou a intimidade sagrada consigo mesmo e passa a vibrar na freqüência da 4ªD.

Aceite, abrace e ame cada aspecto seu, até aqueles que você julga ruins. E descobrirá que DEUS se revela a você não apenas nos seus aspectos de luz, mas também em todos os seus aspectos das sombras.

Somente depois que amou sua sombra é que poderá amar a sombra dos outros, em vez de combate-la e criar com isso relacionamentos conflituosos. Nosso trabalho deve se centrar em recriarmos a intimidade divina e original.

Vivermos novamente aquele tempo em que brincávamos nus no jardim interno sem medo de nada que ali existisse, fosse ele da luz ou das trevas. Mas quando comemos o fruto da árvore do bem e do mal, passamos a julgar e separar, ou seja, ingressamos no mundo ilusório de Maia, a 3ªD.  Devemos ter em mente que o outro é Divino.

Conquistar a intimidade é permitir que o outro entre no seu mundo e tenham a oportunidade de conhecer sua luz e seu lado escuro. Amar é mostrar tudo, a parte boa e a parte ruim.

Se você mostrar sua escuridão a um amigo ele ajudará você a clarear sua escuridão. Isso não significa que você deve sair contando seus segredos a qualquer um, mas conte seus segredos às pessoas que o ama.

O amor está ansioso pela chance de abraçar a sua escuridão. Porém, deixar alguém entrar em sua vida é amedrontador.

A cultura programou em nossas mentes uma série de medos que nos mantém recolhidos e encapsulados contra a aproximação dos outros. Essa mesma programação genética e cultural nos ensinou erroneamente a ter vergonha de certos aspectos nossos.

Isso tudo deve mudar! Quanto mais negamos ou nos envergonhamos de aspectos internos nossos, mais situações desagradáveis nós atrairemos para referentes a esses mesmos aspectos.

É o fluxo da vida querendo traze-los à tona para ser conhecidos por você e abraçados pela luz do amor. Permita isso. Recolha-se no seu jardim interno e visite cada caverna que lá existe. Em cada uma dessas cavernas você encontrará partes suas que tem negado ou se envergonhado ou até mesmo temido.

Dispa-se diante delas e abrace-as. Traga cada aspecto desses para fora da caverna e, juntos, venham brincar sob a luz do seu jardim íntimo. Faça essa meditação!

Deixe que cada aspecto escuro seu se revele para você. E assim, também deverá revelar seus aspectos escuros às pessoas que você ama. As pessoas só poderão amar as partes que você  revelar a elas. Se você reclama que não se sente completamente preenchido com amor é porque não se revelou por completo a quem você ama.

Isso significa que você tem ainda um punhadinho de medos que o mantém preso no jogo de ilusão da 3ªD. A depressão acontece para aqueles que se sentem não preenchidos completamente por amor. A depressão é um sinal de que você não se revelou por completo a si e aos outros.

Revele-se emocional, sexual e espiritualmente a si e aos outros. Na tentativa de preencher lacunas as pessoas buscam vários relacionamentos sexuais.

Não há nada de errado com isso. Afinal, o amor sexual é uma tentativa de busca do amor divino. A troca de energia sexual é pura nutrição; é CURA. Mas o EGO constrói muralhas de medo que impedem a intimidade, impedem a unificação.

Durante os milênios de jornada pela 3ªD essas muralhas foram necessárias. O currículo de 3ªD tinha como objetivo a construção de sua individualidade, ou seja, do seu EGO.

Você saiu da fonte em que estava unido a tudo e a todos e separou-se num indivíduo com identidade própria, expressa no 1ª chacra, seu aterramento na 3ªD.

Pense no mar, a água é uma só, porém, em determinadas condições uma parte da água separa-se do todo e, ao congelar-se, ao tomar forma sólida, torna-se um iceberg, um indivíduo separado do resto da imensidão oceânica.

Porém o iceberg esquece-se que era oceano para poder experimentar uma jornada individual. Nós também nos esquecemos que somos DEUS ao nos cristalizarmos no EGO, aterrando-nos na 3ªD.

Mas agora, com a atual sobreposição da 4ªD na 3ªD, estamos sendo desafiados a levantarmos o véu do esquecimento e nos lembramos de quem realmente somos: DEUS. Assim como o iceberg um dia derreterá e voltará a ser o que ele sempre foi: o oceano.

O iceberg era ilusão, mas sua natureza oceânica sempre foi real. O EGO é ilusão, mas nossa natureza divina é nossa REALIDADE. Ao optamos pelo amor e deixarmos nossos medos, ingressaremos na 4ªD, ou seja, voltaremos para o nosso lar cósmico.

Como o homem e a mulher processam as emoções

Quando as mulheres se sentem emocionais e não sabem o que é isso, elas precisam falar. Esse padrão de comportamento enlouquece os homens. A maioria dos homens não sabe ouvir e fogem. Outros homens querem resolver o problema da mulher, mas a mulher não quer que ele resolva nada, quer apenas ser ouvida.

Já o homem, quando sente emoção, não quer falar sobre isso. A emoção masculina não tem comunicação com a fala.

Na mulher o 2ª chacra (uterino) que é emocional comunica-se com o chacra da garganta e as emoções são facilmente expressas pela fala.

Por isso as mulheres se agrupam para falar e os homens acabam saindo de perto e indo procurar um amigo no bar pra beber uma cerveja, pois ele não entende a expressão emocional da mulher.

Os homens quando se sentem emocionais querem ficar sozinhos. Se você quer ajudar um homem emocional, dê espaço para ele. Deixe-o ficar sozinho.

Mas nos relacionamentos isso torna-se difícil porque abrir mão da companhia do parceiro não é algo fácil de se fazer. E as mulheres pensam que se o homem se isolou dela, é porque não a ama. Daí surgem as inseguranças e os medos.

Resultado: conflito.

Relacionamento e Sexualidade


A nossa sexualidade é reflexo do divino. Quanto mais controlado pelos outros na sua sexualidade você for, mais “louca” será sua expressão sexual.

Não há nenhuma moralidade universal com relação ao sexo! Todos os julgamentos a respeito da sexualidade são produtos da programação genética e cultural da 3ªD.

Toda e qualquer expressão sexual é DIVINA. Ir contra qualquer aspecto da sexualidade humana é ir contra DEUS. E se você resiste ou tem preconceito contra alguma forma de expressão sexual isso é um sinal de que há algo dentro de você que precisa ser mudado.

Lembre-se: as coisas as quais você resiste são justamente aquelas que são mais necessárias ao seu aprendizado.

Se você resiste a algum aspecto da sexualidade em você, ou nos outros,  significa que você tem alguma coisa a aprender com isso.

Os maias diziam que o outro é o “OUTRO VOCÊ”. É seu espelho. Se você atrai para si relacionamentos com pessoas que possuem aspectos sexuais que o incomodam, significa que tais aspectos sexuais estão dentro de você e se refletiram no espelho que é a outra pessoa. É necessário aceitar esses aspectos e abraça-los com a luz do seu amor.

Chaves para a transformação emocional

Nós nos expressamos através do corpo físico, do corpo emocional, do corpo mental e do corpo espiritual.

Mas as grandes mudanças do atual período são as do corpo emocional. E ao trabalharmos com as transformações do corpo emocional, o processamento que se torna mais importante é o processamento de nossos MEDOS.

A primeira e mais importante das questões é trabalhar os seus medos. Se você percebe que há medos ao seu redor, é sinal de que está pronto para enfrenta-los. Faça o seguinte exercício: pegue uma folha de papel e faça uma lista de seus medos.

O QUE EU TEMO?

Faça sua lista!

Depois, medite sobre cada um desses medos e responda: COMO ESTE MEDO SE MANIFESTA EM MINHA VIDA?

Seus padrões de comportamento revelam seus medos. É a respiração que lhe dá poder para transmutar o medo. Se você está estressado é porque carrega consigo bagagem, que são seus medos. Na 4ªD você não pode entrar carregando essa bagagem!

Fantasia negativa consciente X Fantasia negativa inconsciente

Seus medos e inseguranças podem fazer com que você fantasie inconscientemente uma série de coisas, como, por exemplo, a traição do parceiro.

Situações são criadas na sua tela mental co uso do seu poder criativo e muitos passam a acreditar nas suas fantasias negativas como se elas fossem reais e sofrem com elas e vivem todos os conflitos oriundos dela. Porém, enquanto a pessoa mergulha nesse drama inconsciente ela não consegue perceber o que gerou tudo isso, ou seja, seus medos.

Já na fantasia consciente, você deliberadamente escolhe um dos seus medos e fantasia situações com ele para ver como você se sai. Escolha um medo e faça simulações conscientes com ele e, assim, revelações aparecerão.

Perceber os seus medos, revela-los a você é a maneira de enfrenta-los e transmutá-los. Experimente. Dessa forma você libera a emoção negativa e promove a sua cura. Do contrário, essa emoção negativa, que pode ficar a vida toda desconhecida dentro de você, trará doenças sérias.

Ninguém faz você se sentir de alguma forma, e sim você se fez sentir assim. É um processo errôneo de vitimização ensinado pela cultura.

No universo não há vítimas! Isso é uma ilusão.

Tudo o que acontece em sua vida de bom ou de ruim é criação sua e é natural que elas procurem o seu criador. Não se esqueça, você é DEUS e, portanto, um criador. Você é o criador de sua própria realidade. Se você não está contente com sua realidade, não culpe os outros; mude! Se muitas ideias expressas acima causaram resistência em você, isso é ótimo!

Lembre-se: as coisas as quais você resiste são as mais necessárias ao seu aprendizado! Faça uma lista de todas as ideias que você não concorda nesse seminário. E medite sobre elas. Como cada uma dessas resistências operam em sua vida? É um processo de conhecimento e de cura.

Fonte:

Texto de Carlos Harmitte
http://universo-cultural.com.br/

http://despertardegaia.blogspot.com.br/2015/10/relacionamentos-da-nova-era-voce-vive.html


17 setembro, 2016

Vulnerabilidade

Pôxa essa morte do ator Domingos Montagner... Essa morte que nos desperta, nos tira do sono, do sonho, do encanto. Agenda? Planos? Sonhos? Que nada....  a vida é só despertar!

Esse texto abaixo refere-se a carta Vulnerabilidade do sábio Neo Tarot Osho. Alíás vulnerabilidade é mais do que palavra, é constatação desses dias...

Leia "Mestre" como a Vida! Porque não há maior Mestria que a própria Vida!


VULNERABILIDADE

 Lembre-se de confiar que com um Mestre, qualquer situação, em qualquer momento, pode ser usada para despertá-lo. Não se proteja, seja inseguro, seja vulnerável, entregue-se e deposite sua confiança em seu Mestre. 

O Mestre japonês Ekido era um professor severo, e seus discípulos tinham medo dele. Um dia um discípulo estava batendo as horas no gongo do templo. De repente deixou passar uma batida – vendo uma linda moça atravessar os portões do templo, o discípulo se perdeu. Ele não estava mais presente, tornou-se desejo, começou a seguir a moça, entrou num sonho... Nesse momento o Mestre, que estava parado atrás dele, deu-lhe uma forte pancada na cabeça com um bastão, tão forte, que ele caiu e morreu. No Japão esta era uma das mais antigas tradições: sempre que um discípulo vinha ao Mestre, ele dizia: “Minha vida e minha morte, ambas são suas. Se quiser me matar, você pode”. E assinava isso dando-o por escrito. Apesar dessa tradição, as pessoas começaram a condenar Ekido. Ainda assim, a tradição de Ekido tornou-se uma das mais importantes do Japão. Dez de seus discípulos se  iluminaram, um número raro.
E depois que seu discípulo morreu, Ekido continuou como se nada tivesse acontecido. Sempre que alguém perguntava sobre o discípulo, ele começava a rir. Ele nunca disse que algo dera errado, que fora um acidente, ele ria. Por quê? Devido à historia oculta. 

Esse discípulo alcançara algo. Seu corpo caiu, mas internamente ele se tornou alerta. O desejo desapareceu, o sonho desapareceu,  tudo se foi com o corpo despedaçado. E neste estado de vigilante ele morreu. E se você puder unir o estar alerta com a morte, você se ilumina. 
Ekido utilizou o momento da morte magistralmente, e o discípulo alcançou a iluminação. Ele era um grande artista, um grande Mestre. 
Olhando para esta história, você é capaz de pensar que o Mestre matou seu discípulo. Isso não é o que aconteceu. O discípulo ia morrer de qualquer maneira, e o Mestre sabia disso. Isso não é dito na história; não pode ser dito, mas foi assim que aconteceu. Não fosse assim, não haveria necessidade do Mestre ficar atrás do discípulo enquanto este batia o gongo – apenas uma coisa comum, um ritual diário... Não tinha Ekido nada mais importante para fazer? 
Naquele momento não havia nada mais importante. A morte do discípulo precisa ser utilizada. Mas esse é um segredo interior, e eu não poderia defender Ekido em um tribunal. Um Mestre olha profundamente dentro de você, ele sabe o momento exato de sua morte. E se você estiver entregue, a morte pode ser utilizada. 

Sempre que leio esta história, pergunto-me por que apenas dez discípulos se iluminaram posteriormente – esse homem poderia ter iluminado muitos. Os outros devem ter se protegido. 
Sua proteção é sua ruína. Junto ao Mestre, seja inseguro, porque ele é a sua segurança. Esteja desprotegido. Mestres estão interessados apenas em torná-lo totalmente iluminado... Mas é preciso estar pronto. Maturidade e entrega são necessárias.

Roots And Wings - págs 285-282
(em português: Raízes e Asas)



.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...