28 dezembro, 2011

O Todo em tudo

Minha vó sempre diz umas coisas interessantes, como eu a vejo uma ou duas vezes por ano... as coisas que ela diz me faz refletir nas crenças que ela carrega...


Dessa vez, uma das coisas que minha vó disse foi que, se dou as coisas que ganho que minha sorte vai para a outra pessoa...  Bom, eu já sabia que ela não gostava de coisa usada, mas não sabia exatamente o porquê, mas que certamente por alguma crendice de "sorte"... aí que na contramão do pensamento de dar, vem o de receber uma sorte desconhecida !
Não acho que as coisas sejam isentas de energia, muito pelo contrário, claro que já percebi coisas que as pessoas compraram ou receberam de mim, por exemplo, melhorarem suas vidas de alguma maneira, mais pela energia em si do que pelo objeto. Mas eu fico com praticamente nada de miudezas ou do que não me serve. Se ganho, sinto gratidão pela lembrança e carinho, mas se não me agrada ou serve a outro servirá. E se pensar que por acaso repasso "minha sorte", tá tudo certo, pois o outro sou eu, e somos todos UM, e então estou dando a um outro EU que a aproveitará; e pela lei universal, se dou, recebo.
Quanto a usar roupas usadas, bom penso que só se gosta de uma peça que tenha afinidade com a pessoa (semelhante atrai semelhante !). Eu tenho tido sempre muita sorte, então tá tudo dando certo no meu agir... e claro que o fator sorte está além de uma peça ou objeto, é fator múltiplo !
Outra curiosidade que sempre noto acontecer, é que quando preciso de algo que não guardei, esse algo por algum meio surge e até melhor do que aquele que eu dei, essa observação me livra do medo da falta "futura", pois está sempre no Agora tudo o que é necessário ! Se isto não lhe acontece, reavalie suas crenças e as "tralhas" que carrega.


Enquanto isso lia Osho, que conta que os hindus confeccionavam um Deus, faziam sua adoração e depois de algumas semanas o jogavam no mar : "Porque carregar um Deus por muito tempo? Quando sua função acabar, disponha dele, porque Deus está em todo lugar, está em tudo"



15 dezembro, 2011

Invenções do cotidiano



"Você verá que é mesmo assim, que a história não tem fim...
Continua sempre que você responde sim... à sua imaginação
A arte de sorrir, cada vez que o mundo diz não." (Brincar de viver - Maria Bethânia)


Passeando lá no Sonho com Estrelas, li o trecho abaixo. Me lembrou da infância, eu inventava qualquer coisa, folhas viravam peixes numa bacia, e fazia conversas entre duas mãos fechadas se não havia nada mais, imaginava amigos e até me dei irmãos que não tive, vivia em muitos lugares imaginados, lindos, floridos, ensolarados..., fui mãe das bonecas, professora, mulher maravilha, tive super poderes, brincava com as fadas, com seres verdinhos, e como no texto abaixo despetalava margaridas até dar o bem-me-quer... rs, é ...todo dia era dia de criar ! Foi uma infância rica, "vivi" em tudo aquilo em que me coloquei. Depois a gente cresce e tende a ir moldando nossa vida pelas circunstâncias de fora que a gente passa a conhecer, e não nas quais possamos moldar a partir de nós. Esquecemos aquilo em que passamos a infância inteira aprendendo... 
Pode parecer fantasioso se crescendo continuássemos a inventar, a nos colocar em situações não "reais". Mas o que é a realidade, se não aquela em que cremos que seja ? Aquela em que você responde "sim" à sua imaginação? 


"Pra ficar feliz, eu invento dias ensolarados.
Pra ficar feliz, eu desembaraço a luneta e vejo constelações no meio dia
Pra ficar feliz, eu pinto o céu de azul e brigo com o cinza, se for possível
Pra ficar feliz, eu teço pequenas surpresas ao longo do dia, pra desencadear uma fila de sorrisos.
Pra ficar feliz, eu brinco de despetalar rosas só com bem-me-queres.
Pra ficar feliz, eu moro num abraço de amigo.
Pra ficar feliz, eu me transporto para mundos mais floridos.
Pra ficar feliz, eu conjugo o verbo sempreamar.


Porque tempo ruim é só na meteorologia
Aqui dentro é sempre sol, e se chove é de pura alegria"
Cris Carvalho

14 dezembro, 2011

Eucaliptos





por Vera Lúcia Monari *+ Notas do editor -(Conceição Trucom)
É possível ser amigo de outros seres, além dos 'humanos'. Para os budistas o universo é uma comunidade viva, uma fraternidade infinita de seres biológicos e não biológicos.
Os pitagóricos ensinam sobre uma “amizade universal” que nos une às estrelas e astros no céu.  São Francisco de Assis chamava de irmãos o sol, a lua, o vento, a terra, a água e o fogo. Olavo Bilac defendia a tese de que é possível ouvir as estrelas.
E os animais? E as pedras? E os vegetais? Podemos sentir amizade por esta ou aquela árvore.
Motivos não faltam.  Pode ser porque ela nos dá sombra, ou porque nos oferece seus frutos. Pode ser porque ela abriga pássaros que cantam, ou porque que embeleza a paisagem. Mas também é possível ter uma amizade direta e consciente com toda espécie de árvores.
Os eucaliptos, por exemplo, acompanham muitos de nós desde a infância. O calmo diálogo do vento com suas folhas rodeia e inspira milhares de brasileiros [e portugueses] de todas as regiões. Considerados como vilões ecológicos por alguns ― pelo fato de não serem nativos, e por absorverem muita umidade do solo ― os eucaliptos têm, no entanto, poderes curativos e influências sutis mais importantes do que se pensa.
Notas Conceição Trucom
Acabo de assistir ao filme que conta a história de Séraphine Louis também conhecida como Séraphine de Senlis (1864 a 1942) uma pintora francesa de estilo naif. Recomendo assisti-lo, e saber sobre seus lindos quadros florais... exuberando o reino vegetal. Mas ela sugere, em suas falas e cenas do filme, que curemos os 'machucados da existência humana', abraçando árvores, admirando 'ao ar livre', as manifestações da natureza.
No caso do Eucalipto, além de muitos abraços, sugiro enxergar o céu através de sua copa, pegar suas folhas e esmagar algumas nas pontas dos dedos e olfatar seu aroma, até sentir os pulmões e a alma inundados de frescor, limpeza e muito verde.
Depois, levar alguns galhos para casa, se possível cheio de flores e carrapetas, e deixar secar na janela, pendurados para baixo, até perceber que as folhas estão quebradiças (secas). E, em dias de inverno, deixar queimar algumas destas folhas secas na lareira ou algum incensário... 
Também, colocar suas folhas frescas na água do filtro ou para solarizar.

Eucalipto: Eucalyptus Globulus  
O eucalipto é um libertador da preocupação, da melancolia e da tristeza.
São árvores, em alguns raros casos arbustos, nativas da Oceania, onde constituem, de longe o gênero dominante da flora. São mais de 700 espécies, quase todas originárias da Austrália, existindo apenas um pequeno número de espécies próprias dos territórios vizinhos como Nova Guiné e Indonésia. Adaptados a praticamente a todas as condições climáticas, os eucaliptos caracterizam a paisagem da Oceania de uma forma que não é comparável a qualquer outra espécie, noutro continente.
Os aborígenes nativos da Austrália, fazem uso deste precioso curador da natureza, para tratar e curar todo e qualquer tipo de ferimento de pele como: feridas infeccionadas, queimaduras e picadas de insetos, assim como para  tratar das febres, inclusive a malária; é conhecido como a “árvore da febre” (indicado para estados febris e com calafrios)  e  também a “árvore das cascas”.
Tradicional a extração do seu farto óleo essencial, de ação descongestionante e expectorante acentuada, usado para tratar gripes, resfriados, bronquites, tosse e peito congestionado, assim como para combater malária, cólera e tifo.
Por suas propriedades bactericida, anti-virótica e antisséptica, é um óleo muito utilizado em ambientes onde há pessoas doentes, por ajudar a manter o 'espaço' protegido e arejado contra os germes; tem grande poder desinfetante, principalmente em períodos de doenças contagiosas, para prevenir que a contaminação se espalhe.
As propriedades analgésica e anti-espasmódica deste do óleo essencial do eucalipto o habilitam como remédio para tratar e aliviar dores musculares.
Cirurgiões que praticam a medicina tradicional do ocidente descobriram, neste óleo, excelente ação antisséptica, para ser usado em processo cirúrgico das cavidades, na prevenção de infecção e contaminação hospitalar.
Cirurgiões dentistas também fazem uso das propriedades do óleo de eucalipto, para tratar cáries nos dentes, esterilizar e fortalecer a saúde bucal.
Na Índia, o Eucalipto é muito usado para conter e combater doenças contagiosas, assim como tratar a febre.
Por sua propriedade descongestionante, é indicado para aliviar congestões respiratórias, limpar o muco, aliviar o peso da cabeça, especialmente  em períodos de gripes e resfriados.
De efeito refrescante no sistema nervoso, é uma escolha muito apropriada para tratar do cansaço mental,  falta de concentração, dores de cabeça causadas por tensão mental, neuralgia e debilidade em geral.
Exerce propriedades diurética e antisséptica no sistema geniturinário; age no processo de cura em casos de infecção urinária e cistite; ajuda a aliviar o inchaço, em casos de retenção de líquidos.
Repelente da natureza, age contra o ataque de mosquitos, pernilongos, borrachudos e pulgas.
Como rubefaciente, atua muito bem para aliviar os sintomas de reumatismo, artrite e circulação fraca.
De acordo com a tradicional medicina chinesa, o Eucalipto é excepcional para limpar fleuma e calor dos pulmões. Isto o faz uma boa indicação para combate a ataques de gripes, resfriados, garganta inflamada, sinusite e bronquite crônica.
É classificado como tônico da energia Qi dos pulmões − energia vital − melhora as funções respiratórias e promove a boa absorção do oxigênio pelos glóbulos vermelhos.
O Eucalipto dissipa sentimentos negativos, associados com situações do passado que não deram certo, oferece “espaço interno” para respirarmos e nos libertarmos de velhos medos.  
Indicado para pessoas que se sentem cercadas ou oprimidas pelas circunstâncias da vida, em casa, no trabalho ou na sociedade em que vivem e anseiam por liberdade, novas experiências de vida, mas não ousam agir, por excesso de precaução, hábitos repetitivos, medo ou excessiva responsabilidade, evitando a criação de situações que proporcionem liberdade, para buscar novas experiências. Estimula o ânimo e a coragem para agir positivamente.


(*) Vera Lúcia Monari é aromaterapeuta. Site do editor: www.FilosofiaEsoterica.com

Notas Milene (Arom'Arte) sobre alguns dos óleos essenciais dos eucaliptos:


Inspirando, Expandindo...
Os óleos essenciais contidos nos eucaliptos, nos dão coragem para que possamos transcender a consciência coletiva opressora, e crer na realidade baseada em nossas percepções intuitivas e das verdades espirituais. 

Eucalipto citriodora (eucalyptus citriodora) – indicado para tratar infeçcões pulmonares, pneumonia, etc. Não é expectorante, mas atua como bactericida, antisséptico, desodorizante. 
Eucalipto globulus (eucalyptus globulus) – é o óleo essencial de eucalipto mais conhecido e utilizado pela aromaterapia. É um perfeito facilitador da abertura de mentes fechadas, bloqueadas ou desequilibradas. Libera a mente de pensamentos obsessivos. Facilita a expressão e a comunicação. Trata também de problemas respiratórios (asma, bronquite, sinusite). Deve ser evitado por hipertensos. O uso em crianças deve ser acima dos 3 anos. 
Eucalipto radiata/eucalipto robusta (eucalyptus radiata/robusta) – de aroma mais suave, é útil para problemas como rinite e asma, em especial para crianças. 
Eucalipto staigeriana – (eucalyptus staigeriana) – aroma cítrico lima-limão. É revigorante, energizante. Traz a sensação de expansão e paz.
Para adquirir óleos essenciais como Eucalipto Globulus ou Eucalipto Staigeriana clique aqui

07 dezembro, 2011

Sorte !

Ultimamente tenho ficado assustada com o nível de cultura, aprendizado e escolaridade das pessoas.
Esse programa de quarta-feira do SBT Um Milhão na Mesa patrocinado pela Nestlé então... dá até dó dos participantes quando se nota que são mais humildes. Ou seja, a possibilidade do brasileiro de ganhar uma grana, vai para o ralo, confirma que a sorte anda de braços dados com cultura, educação.
Dá a impressão que todo mundo debandou da escola, mas o problema está inclusive na instituição e nem vou dissertar sobre aqui, é consciente a falta e quando há da qualidade de se fazer o ensino, a forma de ensinar precisa ser reformulada em sua totalidade.
Mas além de educação e cultura, acredito que a capacidade de "sonhar alto" (ou melhor, de apropriar-se, pois não basta sonhar), a entrega do desejo e a comunhão com a espiritualidade, também fazem a sorte acontecer, ou seja, não depende só de lá, nem só daqui.
Esses dias também reprisou na TV - Quem quer ser um milionário, e toda vez que vejo este filme lembro de um fato acontecido comigo..., vou contar essa longa história de coincidências:


"No terceiro ano do colegial, comecei a procurar emprego, queria e precisava ter meu dinheiro.
Lá fui eu em agências de trabalho, e é complicadíssimo a questão precisar ter experiência..., pegava fila, fazia entrevista e nada. Era um sonho meu trabalhar em Banco desde pequena, na realidade, eu queria ser duas coisas: caixa de supermercado (de antigamente, que digitava tudo na máquina...  adorava e adoro teclar!), e bancária (porque não precisava trabalhar de sábado e emendava os feriados). É,.... simples assim !
Quando eu tinha uns 10 anos, a filha da minha madrinha me levou ao cinema na Av.Paulista, assistimos o filme e tomamos milk-shake na saída, achei tudo tão gostoso e a avenida tão bacana, que afirmei: quando eu crescer quero trabalhar aqui.
Bom, voltando a trajetória de empregos: quando eu estava no terceiro ano, eu saia da minha casa na zona norte de SP, pegava o ônibus e ia até a República para tentar fazer uma ficha no Banco Real (ah, era o meu preferido para se trabalhar), bom foram praticamente 3 ou 4 viagens perdidas, um dia era ficha só para quem morava na zona tal, outro dia ficha para vaga de motoristas, outro dia outra coisa... e assim ia... , até que num dia frio e chuvoso eu tinha uma consulta médica lá perto e estava com meu pai, aproveitei para tentar novamente e nesse dia gelado... meu sol brilhou ! Consegui fazer a tal ficha, a psicóloga que me atendeu pareceu ter simpatizado comigo e quando cheguei em casa, ela já tinha ligado e marcado o dia da prova.
Meu pai do céu... que prova era aquela ?! Tinham dezenas de problemas matemáticos que tinham que ser resolvidos com prazo, tipo, 5 minutos. Depois, tinha que fazer um desenho + testes psicotécnicos + uma redação, ufa !
Bom, eu havia sempre estudado em escolas estaduais e não posso reclamar da maioria dos professores que tive, mas de matemática era um caso à parte, nunca tive um decente e que explicasse matemática simples e funcional ! O problema nem era pessoal, ou de ter estudado em escola estadual, prova disso é que recentemente passou um matéria no Mais Você, o repórter junto de um professor perguntava coisas bem básicas - tipo, quanto é 10% de tal valor - para alunos de uma escola particular, e você acha que eles sabiam responder ? (veja aqui o vídeo)
Pois é, mas eu também com 17 anos, pouca coisa sabia.... Na horinha daquela prova sabia que estava reprovada e mais que isso, havia desistido do meu sonho dourado de trabalhar não em banco, mas no Real, sim, abandonei o sonho pois estava constatada a dificuldade.
Antes  disso, eu tinha uma amiga da escola que estava há pouco trabalhando no Bradesco, na seção de Recrutamento e Seleção. Para chegar a realizar uma prova lá era necessário na época, ir a uma agência e conseguir uma indicação do gerente, mas como ela trabalhava lá, me disse para ir direto que ela me encaixava na prova. Bom, o Bradesco não era meu sonho dourado... mas tudo bem, já que nem conseguia fazer uma ficha no Real. Cheguei lá fiz a prova, aliás depois comparada a do Real, facílima - passei, fui para a etapa da dinâmica de grupo, passei com louvor - chegou a etapa final com a entrevista psicológica..., nesse dia cheguei lá esbaforida, o ônibus tinha atrasado, eu mau sentei e a psicóloga me chamou, eu não sei dizer muito bem o que houve, mas eu estava tensa, gaguejava e consegui responder tudo ao contrário do que deveria..., conclusão: reprovada.
Passado um tempo, eu conversava com essa minha amiga no telefone, e ela me disse: Milene, já se passaram 6 meses da prova, você pode voltar e fazer uma nova (era preciso um mínimo de tempo para tentar novamente). Ok, eu fui, mas cheguei lá e comecei a enjoar, não me sentia confortável, e disse pra ela que era melhor eu tentar outro dia, e ela disse que eu já estava lá e que ia fazer... ela já havia sido promovida, agora era ela quem ministrava e corregia as provas. Bom, eu passei por bondade dela... Exatamente a mesma prova facílima que havia passado e desta vez somado ao mau estar, um fracasso.
Nesse mesmo dia, às 4 da tarde, o telefone toca em casa,  era do Banco Real ! Dizendo que havia uma ficha minha lá e se eu queria fazer uma prova (fichas no Real eram canceladas após uma prova reprovada, ou seja, eu teria que ter feito uma "nova" ficha), eu disse que já havia feito a prova lá, que havia sido há 3 meses, ela parou, pensou, foi consultar alguém e disse que tudo bem. Fiquei no "ar", maravilhada, sem quase acreditar que teria uma nova oportunidade do meu sonho dourado !
Eu que já tinha feito aquela primeira prova desastrosa, resolvi me preparar, eu tinha 2 dias para isso. Treinei os desenhos que seriam solicitados, elaborei uma redação com tema político, do psicotécnico eu sabia que tinha ido bem, e da matemática eu peguei dois livros antigos que meu pai guardava. Exatamente... fui pegar o livro que meu pai aprendeu matemática... sendo que ele estudou só até o 4° ano ! Lá aprendi o básico de tudo, noções que uso até hoje, simples e fácil em 2 dias e que te habilitam a responder a maioria dos problemas matemáticos e do dia-a-dia !
No terceiro dia, cheguei lá e estava tranquila, sentia conforto. Passei.
No dia seguinte ainda tinha a dinâmica do Bradesco, mas aí também não passei ! O que era uma chance a menos, mas um certo alívio também ! E curioso porque na primeira eu havia sido a primeira colocada e nesta reprovada.


Agora preciso dizer que aconteceram uma série de coincidências... e uma valiosa ajuda espiritual:


Um mês antes do telefonema do Real, uma amiga da amiga de minha mãe que simpatizava muito comigo e que sabia da minha procura por trabalho, estava frequentando a Igreja Universal e pediu para levar minha carteira de trabalho para um dia de culto ao trabalho (ou algo assim).
Detalhe: a vaga para qual eu estava fazendo as provas, era de atendente no Disque Real. Até eu chegar na dinâmica de grupo, confesso que não havia ainda pensado num problema que tinha...
No dia da dinâmica (próxima etapa), eu estava pronta, mas faltava uma meia hora para a hora do ônibus e estava no quarto da minha mãe. Ela mantinha uma bíblia aberta, eu a peguei, fechei e abri para ler uma mensagem, e caiu um salmo, onde duas frases praticamente saltaram aos meus olhos, eram : "não reveles um segredo a ninguém", e na linha final dizia "e será aprovado por todos".
Na dinâmica, me perguntaram como havia sido o meu processo de seleção até ali, fazia exatamente 3 meses da primeira ficha, mas na hora de dizer 3, lembrei da frase "não reveles um segredo" e disse 4.
Bom, eu tinha um problema para dizer palavras com tr e dr, apesar de quatro tb ser uma dessas palavras, era bem menos perceptível que três, que saia tlêis, bem cebolinha.
Depois, teve uma brincadeira que era descobrir o que cada pessoa poderia levar para a lua, aí que já vivi uma cena de sorte como a do filme, pois essa brincadeira me foi praticamente nula para aprovação na dinâmica, uma vez que eu já sabia como se brincava. Fazia tempo, mas um dia sem ter o que fazer, minha prima fez essa brincadeira em casa. Bingo !
Passei, mas ainda havia uma última etapa, era um teste de telefone. É, tudo isso e podia terminar num teste de telefone. Só sabíamos a data e não o horário da ligação e nem o que seria perguntado. Acho que esta foi a etapa mais tensa.
Minha mãe tinha saído e eu estava a espera do telefonema, fui para meu quarto e eu tinha um livro de contos, abri para passar o tempo, dei uma lida na lenda de Ícaro calmamente. Acabei, fui pra sala e o telefone tocou, era uma funcionária que havia participado do dia da dinâmica, ela me disse: me conte uma história em 5 minutos ! Era claro que era para eu ter contado a lenda de Ícaro !!! Mas na hora, supostamente pela tensão me esqueci completamente ! E contei porque eu pretendia cursar Nutrição. Por sorte, ela ficou tão interessada na minha história que nem notou que nutrição era uma palavra que eu não falava tão bem - tinha TR. É parecia que o emprego era meu de qualquer jeito, mas o Universo estava super colaborando para ser mais fácil...
Eu estava enfim empregada !


Na primeira semana dois dias eram de treinamento teórico e três onde iríamos ficar com outra atendente para treinar. Cada dia era interessante, clima bom, mas também um suplício pessoal... aquele meu sonho podia acabar a qualquer momento...
Comecei a ficar seriamente preocupada, meu segredo não revelado ! Comecei a gravar minha voz e a ouvi-la, e era horrível, tentava, tentava e nada. Até que me conformei e era aguardar.
Mas no primeiro dia aconteceu algo digamos, fenomênico - terminou mais cedo a parte teórica, e cada uma foi ao lado de uma atendente para ver como era o atendimento, aí foi que constatei a ajuda espiritual que até então não tinha me dado muita conta, entre aquela senhora levar minha carteira na Igreja e o que estava acontecendo......, a moça me disse: atenda uma ligação para você ver como é. E aí uma vozinha de um garoto de uns 10 anos ou menos, me perguntou: aí é da Igreja Universal do Reino de Deus ? Pedi para ele repetir, e ele repetiu inteirinha a pergunta. Eu disse que não, que era do Disque Real, e ele me disse ainda um obrigado e desligou. Comoção. Enganos ali não eram frequentes, muito menos um garoto num acaso de eu colocar o fone e pela primeira vez, e ser surpreendida com esta pergunta, era como uma aviso, uma confirmação, um bálsamo.
Bom, eu nunca fui à Igreja Universal, mas fui agradecer e contar a ajuda recebida àquela senhora. Já entendia algo da espiritualidade e sabia que a força espiritual era algo maravilhoso, mas com esta série de coincidências e até mesmo uma confirmação destas, estava em contato com seu Poder. Não eram necessárias teorias religiosas das quais eu concorde ou discorde, por isso nunca fui à Igreja, a energia estava presente e maravilhosamente estava conduzindo à realização.


Aí, num dia daquela semana, uma das chefes me pediu para caprichar no três, estava sendo uma tortura, porque quando eu passava o saldo de três mil por exemplo, a pessoa entendia seis mil. Aí eu disse que não podia caprichar, contei a verdade, de que eu sinceramente não havia me dado conta que não seria apta para a vaga e que quando percebi estava perto demais para voltar. Eles poderiam ter me demitido, mas por mais uma sorte, quem havia feito a entrevista comigo (a que simpatizou com minha história) estava no lugar do gerente, e resolveram esperar a volta dele, que havia acabado de sair em férias.
A solução era eu ajudar a moça que fazia a área de estatística, recolher planilhas e digitar na calculadora! Tudo precisava ser muito rápido. E eu era rápida ! Não contei que queria ser caixa de supermercado ? Pois então, além disso eu havia feito um longo curso de datilografia ! Eu era tão competente e rápida quanto a menina que já estava lá, nossa dupla super funcionou. O gerente chegou e eu sem nunca ter me dirigido à ele, fui ficando por lá.... foram 4 meses, até que o que eu a colega fazíamos seria automatizado, e então não seria mais necessário.
Nisso, haviam algumas meninas para serem transferidas por problemas de voz, tendinite, e até por surpresa, eu ! Havia uma vaga na agência do térreo... ah, esqueci de dizer....... eu trabalhava no prédio sede da Av. Paulista ! Me lembro da emoção que me veio ao subir as escadas do Trianon e saber que eu iria trabalhar no local da minha afirmação de menina - não era só no Banco escolhido, mas no local também !
Das meninas, eu fui a escolhida pelo gerente para trabalhar na agência. Trabalhar em agência ou departamento era o sonho de praticamente todas meninas lá no Disque (e na época eram muitas), pois para uma transferência dessas era necessário pelo menos ficar 2 anos no Disque, mas a maioria ficava bem mais tempo por lá sem conseguir. E eu com quatro meses estava na agência que atendia a funcionários de todo o prédio. Sorte !
Durante todo o tempo que trabalhei no edifício sede, aconteceram felizes coincidências, auxílios,  exerci muitas funções, nenhuma falta por doença, amizades e eventos maravilhosos, clima alegre, ameno e ainda tive oportunidades de experiências profissionais que recusei. Não tenho do que reclamar, aprendi muito, sei que fiz meu melhor no que podia, e até tenho dificuldade em compreender quando as pessoas reclamam dos seus ambientes de trabalho, foi tudo muito muito abençoado. 
Foram 8 anos, 8 meses e 8 dias. Nos últimos dois anos, acabei mudando de cidade e já nutria outros sonhos e objetivos, ainda nada com aromas, esse foi um outro caminho maravilhoso onde uma coisa foi levando a outra até encontrá-lo, e nisso já se vão mais de dez anos envolvida com os Aromas...
Então, pedi para sair, não foi nada fácil tomar essa decisão, mas eu já estava planejando há algum tempo e aí somado ao desejo de viajar com um namorado na época, foi a oportunidade. 


É essa a história, e lembro com detalhes de cada momento desses que contei, dos sustos, das incertezas, da vontade de sair correndo pra chorar quando contei que falava errado, do sentimento de conforto ou de desconforto, das oportunidades, dos sinais, e tudo enfim... 
Tenho certeza que a benesse espiritual esteve presente, cruzando cada pontinho... essa ligação invisível que magnetiza e vivifica. Que devemos ficar atento aos sinais, como sensações de conforto/desconforto, e quanto mais tranquilos estivermos, também mais fácil é percebê-las, em sua sutileza. E que as pessoas aprendam a se desligar de tantas teorias religiosas que mais servem ao ego, e que passem a viver em religiosidade, isto é, no positivismo, na alegria, na fé, no agora, independente de dogmas religiosos. Que busquem pelo melhor, colaborem na ajuda ao próximo (o outro é você). Façam sua parte, aprimorem-se, desenvolvam-se em cultura e educação, no saber pensar, no criar, no administrar. E que como filhos de Deus acreditem nas possibilidades, vejam a perfeição, e não neguem de si ou do outro, o seu melhor."


Bom, depois de uns 5 anos em que eu estava lá o Banco foi comprado pelo holandês ABN AMRO (que manteve o nome Real) que ajudou muito nas funcionalidades por lá, como mobiliário, computadores e também novos amigos. Hoje o Real, é Santander.
Quem quiser saber se e como melhorei minha fala, eu conto aqui.

03 dezembro, 2011

Ponderação - (antes da ação)

Ponderação é a palavra. É nela que está o segredo do equilíbrio e de uma vida mais rica e feliz.
Hoje em dia cada vez mais agimos pela precipitação. É a pressa desenfreada que nos faz ansiosos e com frequência nos reserva o que há de pior na vida.
Existem duas frases bem conhecidas que nos dizem exatamente isso: “O apressado come cru” e “O segundo rato é o que come o queijo… O primeiro fica preso na ratoeira”.
Da próxima vez que você for agir, pare, dê um passo atrás e pense nestas verdades:

Consciência: Antes de escrever, pense.
Aquilo que você escreve atesta o que você pensa e reforça o que você é. Mais ainda, comprova a sua intenção e o que há em seu coração. Portanto, se não for para deixar algo bom no mundo, não escreva.

Justiça: Antes de julgar, espere pelos fatos.
Lembre-se que os fatos dizem por si o que tem de ser dito. Não seja você aquele que vai julgar o seu irmão. Primeiro porque você não tem esse direito. Depois, nem ao menos tem essa condição.

Prudência: Antes de gastar, ganhe.
Endividar-se não é a melhor opção. Quando você deve, entrega junto o seu sossego. É um preço alto demais para pagar, qualquer que seja o benefício que receba em troca.

Respeito: Antes de falar, escute.
Quando conversar com alguém escute o que ele diz. Quando você fizer uma pergunta, ouça a resposta. Quando der sua opinião, seja consciente. Adote por hábito mais ouvir do que falar. E nunca diga o que não precisa ser dito.

Ponderação: Antes de acusar, reflita.
Não seja aquele que aponta o dedo para um irmão. Acusação é algo muito sério. Nunca levante um testemunho pelo simples prazer de acusar. Você não sabe o quanto aperta o sapato do outro. E por isso não pode julgar a sua dor.

Perseverança: Antes de desistir, tente mais uma vez.
Em tudo o que você fizer é permitido errar. Porque é dos erros, mais do que dos acertos, que sai o seu aprendizado, o seu amadurecimento na vida. Não se sinta derrotado jamais. Sempre tente mais uma vez, quando seu coração diz qual é o caminho.

Pureza: Antes de orar, perdoe.
Você não entra em uma casa encerada com os pés sujos de lama. Da mesma forma, não deve ter seu coração sujo pela mágoa, quando visita a sua fé. Orar a Deus exige que se tenha perdoado a todos aqueles que o magoaram. Senão a sua oração não será sincera e não será verdadeira. Quando você perdoa, sua oração entrega a Ele a pureza de seu coração e de suas intenções.

Da próxima vez que for agir, em qualquer situação, respire fundo, pare e sinta o momento. Só depois tome, com consciência e clareza, a sua decisão.
Ponderação é o segredo. A sua vida só começa a mudar a partir de si mesmo. O que você conquista em sua alma se reflete em tudo mais!

Um abraço e muita Paz!
Gilberto Cabeggi

30 novembro, 2011

O Fazendeiro e Deus - Filme

Sabe naqueles dias em que sua fé não remove nem um grão de areia ? Então, assista O Fazendeiro e Deus - filme evangélico contando uma história verídica, e se sinta reanimado na sua espiritualidade. Só achei um pouco extenso, mas com esse ator tão bonito estrelando-o, no problems !



25 novembro, 2011

Ácidos Láuricos nos Cocos - Mais Sobre

Atualmente o mercado está hiper-estimulado com a divulgação feita pela mídia sobre as propriedades do óleo de coco. Devido à imensa divulgação de suas propriedades terapêuticas, em especial o fato de poder ocasionar emagrecimento, o preço deste produto foi às alturas. O que as pessoas não sabem é que existem alternativas brasileiras de óleos com composição idêntica e que são provenientes de coqueiros também. Estas alternativas são o babaçu, o palmiste e a macaúba, coqueiros brasileiros! Todos os 3 produtos são fontes riquíssimas de ácido laurico, com teores iguais ao coco da praia.

A mídia também tem feito uma divulgação de que o óleo de coco para funcionar precisa ser extra-virgem, e por conta disso muitas pessoas não têm conseguido tomar o produto devido ao seu gosto forte. Também tem alegado que se não for extra-virgem perde seus antioxidantes e fica sem efeito. Primeiramente, o princípio ativo que faz emagrecer - o ácido láurico - reduz o colesterol, aumenta a imunidade, além de outros benefícios, e não se perde no refino pelo qual estes óleos passam. Seu refino não causa danos à gordura pois não utiliza soda cáustica ou ácido sulfúrico como os óleos de prateleira de supermercado (estes sim estão danificados), sendo um método que atua só na redução do odor e gosto. Segundo, estes óleos não são fontes ricas de vitamina E e outros antioxidantes, como o óleo de oliva ou germe de trigo, sendo que o ativo antioxidante é a própria gordura, o ácido láurico.

Assim, mesmo refinado, o ácido laúrico não se perde em nada e mantém suas propriedades naturais. No texto a seguir você conhecerá mais sobre este produto magnífico e desmistificará alguns mitos criados no mercado visando lucros e interesses particulares. 

Propriedades terapêuticas dos óleos laúricos

Uso interno (1 colher de sopa, 2-3 vezes ao dia- inicie com doses menores):

1. Reduz inflamações (artrite, artrose, reumatismo, etc)
2. Combate cândida e outros fungos.
3. Combate bactérias e vírus como H. pylori, bactéria causadora da gastrite, e os vírus do herpes, ou Epstein-bar causador do câncer de laringe)
4. Melhora o funcionamento da tireóide, ajudando principalmente no hipotireoidismo
5. Emagrece, por ser a única gordura não estocada no corpo, ativando também o metabolismo e induzindo à queima de gordura.
6. Aumenta a imunidade, por induzir à medula óssea a formar mais linfócitos (células de defesa)
7. Aumenta a longevidade, por ser uma gordura que não oxida fácil e previne o envelhecimento precoce.
8. Se for usado o palmiste refinado, não deixa gosto na comida e substitui os óleos de cozinha (soja, girassol, canola, algodão, milho).

Uso externo:

1. Previne rugas por sua ação antioxidante de outras gorduras.
2. Previne estrias se usado localmente e diariamente por grávidas.
3. Hidrata e mantém os cabelos sedosos (uso de algumas gotas nas mãos ou 1 tampa em 100 gramas de creme)
4. Excelente em massagens terapêuticas e também na hidratação pós banho.

Você sabia que a antiga gordura de coco vendida no Brasil e comprada pelos nossos avós era óleo de palmiste e babaçu?

Os óleos láuricos são óleos obtidos de coqueiros nativos de países tropicais. Se destacam, frente a outros tipos de gorduras, pela sua concentração elevada de ácido láurico, componente importante do leite materno humano, para o fortalecimento imunológico do bebê. Pesquisas cientificas demonstram que o ácido láurico possui a capacidade de aumentar o sistema imunológico pela ativação da liberação de uma substância chamada interleucina 2 (Wallace, F A et al.) que faz a medula óssea fabricar mais células brancas de defesa (isso é muito bom para quem tem imunidade baixa como pessoas com AIDS e Câncer). Além disso, os óleos láuricos agem como anti-inflamatórios pela inibição da síntese local de prostaglandinas (PGE2) e interleucina 6 que são substâncias pró-inflamatórias presentes em quadros reumáticos, artrites e inflamações musculares. Ou seja, eles são anti-inflamatórios.

Quando o ácido láurico chega aos nossos intestinos ele é quebrado pela enzima lipase e se transforma em monolaurina. A monolaurina é absorvida pelos intestinos e vai ao sangue. Esta substância, cujo precursor é o ácido láurico, destrói a membrana de lipídios que envolve os vírus bem como torna inativas bactérias, leveduras e fungos. A ação atribuída a monolaurina é a de que ela solubiliza os lipídios contidos no envoltório dos vírus, causando a sua destruição. Há assim uma potencial atividade antiviral e anti-bacteriana desta substância contra vírus perigosos como Epstein-Barr, causador da mononucleose e bactérias como a Helicobacter pylori, principal causa hoje do câncer do estômago (Enig, M.; Issacs, C.E. et al. & Kabara J.J. et al.).
De fácil absorção, os óleos láuricos não necessitam de enzimas para sua digestão e metabolismo. No fígado, rapidamente se transformam em energia, gerando calor e queimando calorias, o que leva à perda de peso. De fato, por este efeito, o uso destes óleos têm se tornado famoso internacionalmente em dietas de emagrecimento, pois são o único tipo de gordura que ao ser metabolizada pelo corpo, não é estocada na forma de tecido gorduroso (St-Onge, M.P. et al. & Van Wymelbeke, V., et al.). Podem ser usados na culinária em substituição aos tradicionais óleos empregados na cozinha o que progressivamente reduz os depósitos de gordura localizada, levando ao emagrecimento natural e redução de problemas como a celulite.

Algumas observações levaram à descoberta que óleos láuricos estimulam a função da glândula tireóide. O bom funcionamento desta glândula, faz com que o mal colesterol (LDL) produza hormônios que reduzem a velocidade de envelhecimento do corpo como o DHEA, pregnenolona e a progesterona. Estes hormônios reduzem sintomas associados à menopausa e tensão pré-menstrual na mulher, problemas cardiovasculares, obesidade, entre outras doenças.

Estudos científicos mais recentes demonstraram que os óleos láuricos não aumentam os níveis de colesterol como se pensava, mas muito pelo contrário, eles balanceiam os níveis do bom colesterol (HDL) no sangue (Enig, M. & Hostmark et al & Kaunitz e Dayrit & Awad). As pesquisas antigas com óleo de coco e que mostravam o contrário haviam sido feitas com óleo de coco parcialmente hidrogenado. Nenhum de nossos óleos passa por processo de hidrogenação, que pode dar origem à formação de gordura trans, que aumenta os níveis de colesterol e favorece o surgimento de câncer. Os óleos láuricos reduzem a oxidação do mau colesterol (LDL) no sangue prevenindo doenças cardiovasculares.

Óleos láuricos também ajudam a diminuir a compulsão por carboidratos (açúcar, doces, biscoitos, etc) devido a não estimularem a liberação de insulina. A maioria dos óleos poliinsaturados dificultam a entrada da insulina e nutrientes para dentro das células, deixando-as literalmente famintas, a gordura de coco recobre as suas membranas, não somente permitindo que os níveis de glicose e insulina se normalizem, como também melhorando sua nutrição e restabelecendo os níveis normais de energia.

Óleos láuricos possuem um ótimo desempenho na cozinha por serem muito estáveis sob altas temperaturas. Na cozinha, não há nenhuma gordura melhor: diminuem o mau colesterol (LDL), ajudam a manter o peso, aumentam a imunidade, e protegem contra doenças cardiovasculares.

O ácido láurico pode fazer estes óleos endurecerem em temperaturas inferiores a 23º graus. Em dias frios, para fazer a gordura voltar ao estado líquido, basta deixar a embalagem do óleo no sol da manhã ou aquecer em banho maria, que a gordura volta ao seu estado natural liquido. Você também pode apertar a garrafa levemente até que a gordura saia.

Há 4 tipos principais de coqueiros dos quais têm-se atualmente obtido óleos ricos em ácido láurico no mercado:

Coco da praia (Cocus nucifera), do qual se obtém a água de coco e óleo rico em ácido láurico de sua polpa branca. Para ser empregado existem as versões extra-virgem (rico em vitamina E e aroma de coco), ou refinado (praticamente inodoro).

Coco babaçu (Orbignya oleifera), árvore brasileira e que fornece uma castanha rica em um óleo contendo óleo láurico.

Coco macaúba (Acrocomia aculeata), árvore brasileira e que fornece uma castanha rica em um óleo contendo óleo láurico. Suas características são idênticas às do babaçu.

Coco palmiste (Elaeis guineensis) obtido do caroço da palma. Praticamente só é comercializado óleo refinado, pois o óleo virgem possui um aroma de coco muito forte para uso na cozinha ou massagem. A vantagem deste produto é que ele não apresenta o cheiro que o babaçu ou óleo de coco eventualmente trazem, mesmo sendo refinados.

O refino não altera as qualidades naturais destes óleos devido à sua grande estabilidade ao calor e este processo não envolver o uso de produtos químicos prejudiciais à saúde. O processo de refino é feito por destilação e resfriamento brusco em atmosfera livre de oxigênio e uso de ácido cítrico, diferente de gorduras do supermercado (soja, canola, algodão, milho, girassol) que utilizam ácido sulfúrico e soda cáustica e temperaturas altas (mais de 100 graus) em atmosfera oxigenada, o que danifica os ácidos graxos iniciando sua oxidação.

Há uma vantagem no uso dos óleos de coco palmiste e coco babaçu frente ao coco da praia, que é um custo mais baixo destes óleos com os mesmos resultados.

O uso destes óleos como veículos carreadores para massagem, ou em bases de cremes é uma excelente alternativa que apresenta as vantagens de:

1. Não rançar facilmente, mesmo em contato com água em bases de cremes e possuir alta durabilidade.
2. Penetrar com extrema rapidez pelos poros da pele, facilitando a entrada de óleos essenciais e outros bioativos.
3. Ao penetrar no corpo agir como imunomodulador, contribuído assim para o fortalecimento da imunidade e equilíbrio de quadros inflamatórios.

Prof. Fabian Laszlo.


www.aromarte.com.br
Saiba mais : www.aromarte.com.br/oleosdecoco.htm

__._,_.___

10 novembro, 2011

Leite - Problemas da ultra pasteurização (UHT) e dos seus conservantes


Leite Pasteurizado recebe um tratamento térmico suave de 72ºC, que garante a destruição de bactérias patogênicas. Com esta temperatura:
-As proteínas e açucares do leite não sofrem dano.
-Os lactobacilos benéficos para a flora intestinal permanecem vivos.
  • Estes lactobacilos acidificam o leite em 5-7 dias, ou em muito menos se o leite não é conservado em frio. O que é um probiótico excepcional para a saúde, quando o leite é fresco, se torna um prejudicial da qualidade quando o leite é velho ou mal conservado.
  • O leite pasteurizado pode ser conservado em qualquer embalagem (vidro, plástico).
Leite UHT (Ultra Hight Temperature) sofre um tratamento térmico violento de 140ºC que destrói todas as bactérias, as patogênicas e as probióticas. Com esta temperatura:
-As vitaminas do grupo B são destruídas a níveis do 50%.
-As proteínas e açucares são alterados interatuando entre si (reação de Maillard), por isto o leite de caixinha tem sabor de queimado.
-Os lactobacilos probióticos são totalmente destruídos.
  • O leite UHT pode ser conservado por 180 dias sem frio, mas o forte impacto térmico e enzimas resistentes ao aquecimento fazem que os componentes, nutricionais e físicos, fiquem se deteriorando dia a dia. Por isto o leite de caixinha precipita, muitas vezes antes da validade.
  • O leite UHT é conservado em embalagens (caixinhas) de varias capas (cartão, alumínio e plástico) de muito difícil reciclagem e de custo muito elevado.

  • Você poderá encontrar os seguintes conservantes nos leites UHT comercializados:
    - Citrato sódico. É usado como um anticoagulante em transfusões de sangue. Ele continua a ser usado hoje em tubos de coleta de sangue e para a preservação de sangue em bancos de sangue. O íon citrato seqüestra íons de cálcio no sangue, rompendo com o mecanismo de coagulação. É usado para tratar desconforto em infecções no trato urinário, tais como cistite, para reduzir a acidose vista em distal acidose renal tubular, e pode também ser usado como um laxativo osmótico.
    - Fosfato trissódico. Vendido como um enema, agindo como um laxativo para tratamento de constipação. Os enemas de fosfato de sódio são vendidos como “medicamentos de balcão” nos EUA.
    - Monofosfato monossódico. É usado como um laxativo e, em combinação com outros fosfatos de sódio, como um tampão de pH. Usado também na limpeza e tratamento de superfícies metálicas, no tratamento de efluentes, em processos da indústria farmacêutica.
    - Tripolifosfato de sódio. É utilizado como agente de flotação, dispersante, emulsificante, estabilizante de solos, seqüestraste e como reforçador em produtos destinados a limpeza, como detergentes e sabões em pó. Encontra aplicações em ramos de atividade e indústrias tão variados quanto na agricultura, argila e pigmentos, borracha, cimento e cerâmica, construção civil, sanitários, detergentes e produtos de limpeza, lubrificantes, papel e celulose, pastas para os mais diversos fins, indústrias petrolíferas, têxtil e formuladores têxteis, tintas e vernizes, tratamento de água, vidraria, tratamento de superfície e formuladores.
    Outros conservantes similares utilizados no leite:
    - Citrato trissódico
    - Trifosfato de sódio
    - Monofosfato de sódio
    - Difosfato dissódico
    - Difosfato de sódio

09 novembro, 2011

Leite - tomar ou não tomar - eis a questão:

A polêmica do leite nas últimas décadas caminha na sequência da sua industrialização. Os malefícios patológicos (alergias, acne, crohn, enxaquecas, fibromialgia e muito mais),onde possam ser notadas melhoras em uma dieta com ausência do leite num período de 1-3 meses pode lhe convencer facilmente a abandoná-lo.
 O fundamento ao meu ver, não está na história de que somos os únicos mamíferos que continuam a se alimentar de leite e de outra espécie, concordo com o texto abaixo, o humano toma leite porque tem livre-arbítrio, culturas dos nossos avós ou como a indiana e os massais fizeram ou fazem uso constante de leite, porém bruto. O problema central está na industrialização, na atual alimentação conferida às vacas (comem de td, menos capim), no estresse de animais confinados e que viraram máquinas de reproduzir para produzir leite. E depois, na homogeneização que quebra a nata (alguma criança hoje em dia sabe o que é isso ?) e na pasteurização onde além da posterior proliferação de bactérias, importantes enzimas são perdidas:
PASTEURIZAÇÃO - HOMOGENEIZAÇÃO - BACTÉRIAS e PUS 
Normalmente o leite é pasteurizado (72°C/15 segundos e resfriamento instantâneo), porém, ao voltar à temperatura ambiente o número de bactérias no leite DOBRA a cada 20 minutos. Pasteurização? Ledo engano!
Cada ml de leite de vaca comercial pode ter até 750.000 células somáticas (conhecidas como pus) e 20.000 bactérias vivas, antes de ser retirado do mercado. Isso chega a espantosos 20 milhões de bactérias vivas e a 750 milhões de células de pus/litro.
A Comunidade Européia e o Canadá só permitem 400.000.000 células de pus/litro. Em geral esses níveis são mais baixos, mas não admira colocarem soda para a conservação do leite.
A homogeneização (processo mecânico para evitar a formação de nata), quebra moléculas grandes de gordura em partículas menores que PASSAM para a corrente sanguínea! Isso se transforma numa auto-estrada para quaisquer toxinas carreadas pela gordura (chumbo, dioxinas etc.) chegarem a seus órgãos que, antes, eram os mais bem protegidos. (http://docelimao.com.br/site/linhaca/674-leite-e-um-alimento-saudavel.html - fonte : www.notmilk.com)

Então, o não ser favorável ao leite é a este leite que aí está sendo vendido, se você é lacto e conhecer uma vaquinha feliz - ótimo ! E de qualquer forma, use e abuse das alternativas de leite de castanhas, de arroz integral (clique sobre para ver como fazer este e outros), etc, substituindo nas receitas que precisar de leite, por ex. Para manteiga procure por ghee orgânico, facilmente encontrado nas casas naturais, e/ou alterne por óleo de palmiste. Para o cálcio inclua sempre folhas verde escuras na alimentação diária e use sucos verdes, fontes de cálcio conjunta a magnésio. E se desejar por leite de vaca, opte pelo tipo A integral, não homogeneizado, nem ultra pasteurizado (UHT/longa vida)

A QUESTÃO DO LEITE
(texto de José Carlos B. Peixoto) 

Um dos temas que se tornou mais freqüente na prática diária de consultório é o aumento de queixas ligadas ao consumo do leite. Expressões como “alergia ao leite” ou “alergia à lactose” (termo equivocado) estão se transformando em situações comuns para as pessoas. Pais preocupados com a alimentação de seus filhos recebem freqüentemente a recomendação de que é necessário usar um substituto do leite. Hoje em dia o substituto mais comum do leite é o extrato industrial líquido de soja, ardilosamente chamado de “leite” de soja. Esse produto, transformado em salvação para os pequenos que não podem ingerir leite, vem embalado da mesma forma que o leite em pó ou líquido em caixinhas. Dessa forma, existe uma percepção psicológica que tranqüiliza os pais. Eles estão tendo a nítida impressão de que estão fazendo a mesma coisa que sempre foi feita ao longo da história da humanidade. Mas, com certeza, não é bem assim.

O leite na história humana

O leite participa da história da humanidade, praticamente ao mesmo tempo em que se iniciou a agricultura. Há cerca de 10.000 anos o uso comum do leite se fez necessário, na medida em que povos tradicionalmente coletor-caçadores, começaram a mutilar o seu espaço ecológico com a agricultura. A transformação da terra em propriedade privada inicia uma profunda fase de mudança na história do homem. Os grupos humanos nômades vão quebrar uma tradição alimentar de mais de 130.000 anos vindo a necessitar de novas fontes de proteína e gordura com qualidade suficiente para manter níveis saudáveis de nutrição. O início das práticas agrícolas restringiria a população de animais de caça. Com isso seria imperioso domesticar alguns animais para manter razoáveis fontes protéicas. Do oriente médio à Europa, e também na África, o emprego de caprinos, ovinos e bovinos inicia a formação de comunidades, que serão o berço de diversas civilizações que forem se sucedendo até os dias de hoje.
Assim uma questão costumeiramente colocada em discussão - se é adequado que um mamífero adulto consuma leite de outras espécies - peca por ter um dos inúmeros “erros de premissas” que compõe o universo de sofismas que obscurece a capacidade de reflexão das pessoas do mundo moderno. Talvez se o homem não consumisse leite não existissem as civilizações atuais. Isso, obviamente, não é um grande predicado, pois, muitos de nós se questionam se o resultado desse processo foi bom para o planeta. Mas, no âmago disso, temos o fato do homem ser um animal onívoro. Apesar de alguns dogmas alimentares (restritivos) não simpatizarem com essa idéia, esse excepcional predicado o habilitou a ser o que ele é hoje em relação a todos os demais seres vivos. Dentro de um contexto estritamente biológico, usar fontes naturais como alimento, sejam elas quais forem, é uma excepcional vantagem adaptativa, como ficou provado ser até o momento atual.  Infelizmente, a evidente transformação dos alimentos em bens de consumo, e a necessidade cada vez maior de incorporar esses bens numa cadeia produtiva, têm afastado as pessoas de fontes alimentares genuinamente naturais.
O emprego do leite para alimentar indivíduos adultos trouxe uma generosa fonte de proteína, de gordura de excepcional qualidade, de vitaminas – principalmente A e D, e de cálcio. Adicionalmente, com o emprego de técnicas rudimentares (caseiras) de processamento e fermentação surge o queijo, o iogurte, a nata e a manteiga. Daí em diante vão surgindo novos empregos do leite, que o transformou em matéria prima dos mais saborosos e sofisticados produtos alimentares, em inúmeras tradições culinárias, muito antes de qualquer técnica industrial aparecer.
Talvez seja mais natural um homem adulto se alimentar de leite, do que seria alterar uma porção qualquer de terra, retirando a população vegetal original e substituí-la por plantas alimentares.

Quando o leite se transformou em problema

De fato algo aconteceu com o leite nesses últimos tempos. Principalmente após a popularização do leite tipo UHT (leite submetido a temperatura super alta) acondicionado em caixinhas descartáveis.
O inicio do problema com o leite surge com a mudança da alimentação do gado leiteiro. A introdução de ração com altas quantias de proteína, baseadas em soja, retirando os animais do campo, e os colocando em confinamento, com a finalidade de aumentar a produtividade de leite, induz à modificações nas funções endócrinas dos bovinos. Ao mesmo tempo em que obriga o emprego de grandes quantias de antibióticos. Para aumentar a quantia de leite pode ser utilizado o BGH (hormônio de crescimento bovino). Entre outros problemas, esse hormônio causa o incremento de outras substâncias que acabam sendo transferidas ao leite, como o IGF-1 (de ação semelhante à insulina), que resiste à pasteurização e passa para o organismo humano. O IGF-1 está relacionado como o câncer mamário e o câncer de intestino (cólon).
Nos animais o BGH aumenta o número de infecções de úberes, levando a um incremento adicional no uso de antibióticos ao mesmo tempo em que diminui a quantia de gorduras corporais das vacas. Com menos gordura corporal, mais antibiótico pode ser passado para o leite, que no final é ingerido pelo consumidor.
Depois que o leite é coletado ele é pasteurizado, homogeneizado e submetido ao processamento UHT.  Quando o leite é pasteurizado, valiosas e inestimáveis enzimas são perdidas: lactase para assimilação da lactose, galactase para assimilação da galactose, fosfatase para assimilação do cálcio. Isso já pode começar a explicar o problema da intolerância à lactose (infelizmente muito tem se falado de alergia à lactose, o que é incorreto, visto que podemos ter intolerância à lactose por falta de enzimas que promovam sua assimilação. Como veremos mais tarde, a alergia ao leite diz respeito às proteínas do leite, e não ao seu conteúdo de carboidratos). Nota: lactose (açúcar do leite)
A rigor inúmeras enzimas naturais do leite são destruídas com o processamento industrial, o que deixa esse produto de difícil digestão, principalmente para crianças. O pâncreas acaba sendo sobrecarregado, o que pode favorecer mais tarde a um quadro de diabetes. A gordura do leite submetida à homogeneização, pode rancificar (oxidar) ou mesmo ser completamente retirada. A gordura oxidada pode gerar colesterol oxidado, um reconhecido fator de doença cardíaca, (não o colesterol em si, mas a sua oxidação!)
 O leite sem gordura é vendido como se fosse mais saudável, uma vez que a mutilação cognitiva dos tempos modernos faz o ingênuo consumidor demonificar as gorduras. Esse emburrecimento epidêmico é vital para o incremento do processo industrial sobre os alimentos. Alimentos integrais têm quantias de gorduras genuinamente necessárias. E ao contrário do que “experts” em alimentação ficam dizendo na mídia comercial, a obesidade e todas as doenças correlacionadas ao excesso de peso em nada tem a ver com o consumo de gorduras naturais e genuínas. É um pensamento muito tosco e rudimentar crer que a gordura acumulada no corpo ou nos órgãos seja a gordura que foi ingerida, e de forma inalterada, se acumulou no organismo. Deveria ser considerado um criminoso o indivíduo que divulgasse tamanho absurdo. A obesidade tem a ver com fatores diversos tais como: excesso de carboidratos refinados, a falta de atividade física e o estresse.
Na verdade a gordura do leite tem especial importância para o consumo humano: proporciona a absorção das vitaminas e dos minerais fundamentais contidas no leite. Sem ela o leite se torna um alimento inútil. O leite desnatado não deveria ser consumido em hipótese alguma. A gordura do leite é a melhor fonte alimentar de pré-vitamina A e de vitamina D. É também fonte de excelentes ácidos graxos de cadeia curta, substâncias que podem ser até mesmo anti-carcinogênicas.
Muitas vezes, é adicionada vitamina D sintética ao leite desnatado, um produto de alto potencial tóxico para o fígado. Além disso, o leite desidratado e sem gordura é rico em nitritos, igualmente tóxico para o organismo.

Os piores alimentos

O leite processado UHT pode ser considerado com um dos piores produtos alimentares disponíveis para os consumidores urbanos. Em primeiro lugar temos os produtos produzidos com gordura vegetal hidrogenada e com óleos vegetais (seja pelo excesso de ácidos graxos tipo trans, ou pelos ácidos graxos oxidados pelo aquecimento, ou ainda, simplesmente porque são produtos oleosos com quantias tóxicas de poliinsaturados tipo ômega 6, um tipo de lipídeo, disponível em pequeníssimas porções nos alimentos naturais, e consumidos em níveis absurdamente altos nos produtos processados ou nos óleos vegetais comuns, como os óleos de soja, girassol e de milho. O excesso de ômega 6 pode estar relacionado a escalada impressionante de doenças ligadas ao sistema imune, doenças degenerativas e do câncer).
Em segundo lugar, temos os produtos que contém açúcar refinado. Finalmente temos os sucos de frutas, que ao contrário das frutas “in natura”, incrementa de forma desproporcional a ingestão de glicídios como a frutose, ou do próprio açúcar (sucos adoçados) ou de adoçantes artificiais (como o aspartame). Os sucos são despojados de fibras, talvez a principal virtude das frutas, uma que a vitamina C é muitas vezes perdida e substituída artificialmente pelo processamento industrial.

Outros problemas

O leite processado tem suas propriedades protéicas modificadas, o que o transformou em um grande causador de alergias de origem alimentar. As alergias podem ser grandes facilitadoras das infecções de repetição em crianças, como as otites crônicas. Pode haver um estímulo aos quadros gastrointestinais (diarréias, dor abdominal, gazes), acne e outras afecções cutâneas, câimbras e anemia ferropriva. Uma proteína enzimática especialmente prejudicial que pode ser ingerida no leite processado sem adequada transformação no intestino, é a xantina oxidase que pode ter relação com doenças cardíacas.
Por mais paradoxal que possa parecer, o emprego de leite bruto, não processado, pode ser um fator de melhora dos processos alérgicos, inicialmente ligados ao próprio consumo de leite (na verdade leite desnaturado).

Exemplos culturais

O pesquisador Weston Price estudou culturas tradicionais como o povo de um vale suíço, (Loetschental Valley). Essa população utiliza leite não processado (nem pasteurizado, nem homogeneizado, nem desnatado), proveniente de gado criado livremente, alimentado exclusivamente em pasto verde. E esse leite é a fonte alimentar primordial de excelentes nutrientes, sendo um generoso ingrediente da excelente saúde dessa privilegiada comunidade. Tribos massais africanas, faceiros consumidores de leite, extraordinariamente gordo de seu gado zebu, tem excepcional saúde cardíaca e invejável perfil de lipídios sangüíneos (principalmente ótimas taxas de colesterol).
Indiscutivelmente, o consumo de leite é uma das melhores fontes de cálcio, principalmente nas populações mais distantes da linha do equador, para povos que não teriam outras fontes razoáveis de cálcio, como os habitantes de locais com inverno prolongado ou de áreas muito áridas. A falta de bons níveis de ingestão de cálcio pode ter relação, não apenas com os óbvios transtornos de desenvolvimento ósseo, mas também com a hipertensão arterial, alguns tipos de câncer e as artrites. O leite é uma síntese alimentar de nutrientes essenciais que indubitavelmente tem estreita relação com a sobrevivência do ser humano nas mais drásticas condições de vida. Naqueles tempos as pessoas não teriam a insanidade de consumir suplementos alimentares, transformados em pílulas comerciais como opção a fontes alimentares integrais e genuínas e que devem manter as pessoas verdadeiramente integradas à natureza!

Informação corrompida

A questão do leite envolve um grande numero de interesses. O simples fato da facilidade de diagnósticos de problemas ligados à ingestão de leite levar a uma trivial solução: a troca pelo uso de extrato de soja, vulgo leite de soja, já é de levantar suspeitas. Afinal se esse produto fosse bom mesmo não seria “leite” de soja - seria uma insanidade utilizar o nome de um produto verdadeiramente ruim (o leite) para melhorar a inserção no mercado de uma maravilha da tecnologia industrial que envolve: a indústria de sementes, de agro-tóxicos, de transformação alimentar e de embalagens multi-beneficiadas, além, é claro, da ignorância coletiva!
Esse produto pode aumentar de forma muito significativa a ingestão de substâncias que imitam hormônios femininos (fitoestrogênios), o que sob qualquer condição e em quaisquer quantias deveriam evitados nas crianças pequenas, principalmente nos meninos, uma vez que qualquer produto similar ao estrogênio é tudo que eles precisam evitar para não gerarem danos nas suas características masculinas!
Além disso, o uso de alimentos com qualidades de hormônio feminino só pode piorar o ambiente fortemente estrogênico propiciado por inúmeras fontes poluidoras modernas (plásticos, agrotóxicos etc.), incrementando ainda mais as já preocupantes taxas de câncer de mama, próstata, transtornos do climatério, dificuldades reprodutivas etc.
Ao invés dos agentes de saúde avaliarem de modo honesto o que se passa com o leite, o produto é sumariamente condenado, e o processo industrial escapa incólume, já que a indústria que produz o leite UHT e seus derivados é a mesma que oferece seus substitutos. Elas não costumam perder nunca.
Situação ainda mais bizarra é a que aconteceu com as fórmulas infantis substitutas de leite materno. No Brasil, infelizmente essas fórmulas são amistosamente chamadas de leites em pó para crianças, ou leite maternizados. Seria muito esclarecedor especificarmos o que tem de “maternal” colocar óleo de canola (produto criado em laboratório), açúcares ou outros produtos vegetais, num alimento que deveria ser exclusivamente de origem do reino animal, como é o leite materno. É com absoluta humilhação que deveríamos enxergar as políticas de estímulo ao aleitamento materno. É como se devêssemos estabelecer políticas de saúde pública para que as pessoas evacuassem ou utilizassem outras funções corporais normais!
Mas como, estamos num franco processo de “desgarramento” de nossa ecologia, de nossa integração com a mãe natureza, aceitamos como normal uma mãe humana, ao contrário de qualquer mamífero “inferior”, não conseguir dar leite para sua prole! Não conseguimos mais manter a vida se não fosse a generosa indústria alimentar! Depois de centenas de milhares de anos de aclamado progresso, nem mesmo conseguimos alimentar naturalmente nossos filhos. Ë claro que isso torna, também, plenamente aceitável a quantia insana de partos cesáreos, de reprodução assistida, de políticas alimentares que desrespeitam fundamentos das necessidades corporais, do uso promíscuo de cirurgias plásticas, do emprego de medicamentos que modificam a percepção de nossa absurda infelicidade como os antidepressivos modernos ou medicamentos poderosos para crianças ficarem mais integradas a essa “beleza formidável” em que se transformou a sociedade moderna! O anti-natural é comum  e até mesmo honroso!

Alternativas

Os problemas da alimentação ligados ao leite podem ser plenamente combatidos com o uso de leite! A aparente ironia dessa afirmativa diz respeito ao movimento mundial do uso do leite bruto (raw milk), não homogeneizado e nem pasteurizado e, muito menos submetido ao drástico processo UHT. O risco de doenças graves por bactérias como asalmonella e o campylobacter só deveria ser considerado nos indivíduos com severos quadros de imuno-depressão. Em indivíduos saudáveis há pouco risco de prejuízos à saúde, pelo contrário. O emprego do leite bruto pode ser um renovador processo de alívio de inúmeros quadros alérgicos, da prevenção do câncer, além de promover um incremento no estado geral de saúde.
Uma maneira incipiente de melhorar o nosso consumo de leite pode ser feito com o uso do leite tipo A, mantido em refrigeração, facilmente encontrado no mercado. Não é o ideal, mas é o que temos de mais próximo do leite bruto nas cidades brasileiras. Algumas feiras de produtos naturais podem fornecer leite de gado e de caprinos verdadeiramente integrais.
Muitas pessoas acreditam que deveríamos nos purificar, nos submetendo a certos credos alimentares, que partem do princípio que somos sujos, impuros, como qualquer pessoa que não nasceu de uma concepção assexuada como a da virgem Maria! Não há porque desconfiar de que os povos inuits do pólo norte ou os sumbarus africanos sejam povos impuros, que deveriam modificar sua forma de se alimentar para alcançar um estado mais qualificado de espiritualidade! Parecem mais impuros aqueles que destruíram seus ecossistemas com a agricultura. Também parecem ser muito mais “impuros” os que se utilizam de comprimidos para suprir suas carências de minerais ou vitaminas. Mais impuros ainda são os que consomem produtos modificados pela transformação industrial. Esses são os verdadeiros profanadores!
O retorno aos hábitos tradicionais, especialmente pelo emprego de fontes alimentares genuinamente naturais, pode ser a chave da saúde, da felicidade e do verdadeiro encontro com a existência e com a plenitude da harmonia com o meio ambiente! O retorno do uso do leite bruto fornecido por gado solto em pastagens pode ser um belo caminho de recomeço!



20022006
José Carlos Brasil Peixoto

Fontes:
Schimd, Ron, ND - "The Health Benefits of Raw Milk from Grass Fed Animals"
Kayala, Daniel - "The whole soy story"

Veja mais :


Nota : Todas as palavras em destaque, são links com conteúdo relacionado.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...