09 julho, 2019

Solidão? Novas logísticas


Estava numa fase de observar a solidão e de encontrar várias pessoas com essa queixa.

E não falo da solidão que pode ser sentida mesmo estando com muitas pessoas, sentindo-se desconectado da vida, nem da boa solitude, mas dessa logística do viver do mundo atual que implica muitas vezes em estar fisicamente isolado. Ou seja, separações, filhos que crescem e deixam o ninho vazio, idosos onde quem morava junto falece, ou mesmo quem mora junto e se sente isolado da sua comunidade, dos vizinhos, etc.

E vi algo sobre coliving, cohousing, casa compartilhada... uma tendência expandindo em outros países nesta era do compartilhamento, mas muito tímida por aqui no Brasil ainda, e comecei a pesquisar e reuni aqui algumas informações!

Esse modo de viver significa apoio mútuo, convivência e privacidade. Além de economia, segurança, conforto e modos sustentáveis.

Já meio que vivemos assim, visto que boa parte de quem tem mais de 40 vai lembrar de morar em vilas e brincar na rua, na praça, de morar com toda família que era bem grande, com vô e vó, até mesmo com inquilinos. 
E talvez pelo mercado de consumo, talvez pelo ter, por uma individualidade, pelas migrações ou por um formato que ainda não fosse o ideal. Enfim, não sei onde e como isso mudou para o modo de vida que vemos hoje, sobretudo nos grandes centros e em classes sociais de média para cima.

O fato é que se pensarmos bem, não estamos aqui na vida para TER, para adquirir coisas, mas sim para experienciar, para nos relacionarmos com a vida, o que inclui os seres humanos, onde mais trocamos, expandindo outros olhares.  O trabalho fora de casa também propicia isso, mas também aniquila a vivência com a família visto a quantidade de horas fora de casa, incluindo-se o tempo de transporte. Ainda é preciso achar gestões mais humanas!

Casa grande: paradoxo é que muita gente que tem condições financeiras só quer uma casa grande para ter lugar para hospedar pessoas, fazer festa, convidar para o "churras". Afinal qual outro sentido - que não o status que cai por terra - de se morar em uma mansão? 

Uma coisa que afasta a ideia de viver em comunidade pode ser a "intromissão" do outro na nossa vida, ou de nós mesmos não tolerarmos a diferença com o outro, o quanto o limpo do outro é diferente do "meu", da "minha" cultura. Ou seja, muitos "meus" e "minhas" pelo caminho...  Mas vamos combinar que o autocentramento nunca foi sinônimo de felicidade.

Desafios da convivência necessitam de diálogo, de acordos, de comunicação não violenta, e olhar para os aspectos emocionais que mais nos pegam como ciúme, raiva, apego.
Para não entrar em contato com nada disso, talvez nos calamos, nos isolamos, nos mudamos para ter nossa pseudo "liberdade", e a intolerância que tanto reclamos no mundo e na rede social deve ter começado mesmo em nossos próprios lares.

Fato é que todos perdemos muito com isso, de bebês a idosos, e passando por cães e gatos, estamos nos isolando fisicamente. 

Viver em coliving, cohousing... ou seja, em casas e vilas compartilhadas é uma valiosa logística a se incluir no morar e no viver!


Para se inspirar:

-O filme Happy - por enquanto ainda disponível na Netflix traz muitos exemplos de felicidade compartilhada, e modos de cohousing na Dinamarca -  onde o movimento teve início.

-O filme E se vivêssemos todos juntos: https://www.youtube.com/watch?v=qoKg6f05fQA

-Aqui no Brasil achei incrível o conceito da OKA: https://www.okacoliving.com.br/ - que é de Porto Alegre, mas já tem projeto de se estender por outras capitais.
Ricardo Neves da Oka:


-O site https://www.morar.com.vc/ - faz o trabalho de unir pessoas que desejam dividir o mesmo lar - por enquanto em SP e algumas cidades.

-O Co Lares: https://www.facebook.com/CohousingBrasil/ - como iniciativa de cohousing no Brasil pela arquiteta Lívia A. Lubochinski.

-Em São Paulo algumas imobiliárias já estão de olho nesta tendência e locando imóveis, caso da www.novasaopaulo.com.br. A kasa http://kasa.com.br/, também é uma nova referência em coliving.

-No YT digite coliving ou cohousing + TED, dois exemplos abaixo:






- Colivings como formas de hospedagem:




- O Norn é uma experiência em coliving, em convivência, em conversação bem interessante, bemmm chique e com lista de espera:



Outros:





*

26 junho, 2019

Temporada


Eu não sei quem é como eu que gosta desse tipo de filme... mas que tem, tem! rs

Adoro. Filme de cotidiano, filme com pausa, com respiro, filme que nem a vida da gente é!

Adorei Temporada e tô passando aqui para recomendar, se você gostar do estilo!
Tá na Netflix.






*

12 fevereiro, 2019

Por um mundo mais natural!

PELOS DIREITOS DOS MENINOS
Que nenhum menino seja coagido pelo pai a ter a primeira relação sexual da vida dele com uma prostituta (isso ainda acontece muito nos interiores do Brasil!).
Que nenhum menino seja exposto à pornografia precocemente para estimular sua 'macheza' quando o que ele quer ver é só desenho animado infantil (isso acontece em todo lugar!).

Que ele possa aprender a dançar livremente, sem que lhe digam que isso é coisa de menina.
Que ele possa chorar quando se sentir emocionado, e que não lhe digam que isso é coisa de menina.
Que não lhe ensinem a ser cavalheiro, mas educado e solidário com meninas e com os outros meninos também.
Que ele aprenda a não se sentir inferior quando uma menina for melhor que ele em alguma habilidade específica – já que ele entende que homens e mulheres são igualmente capazes intelectualmente e não é vergonha nenhuma perder para uma menina em alguma coisa.
Que ele aprenda a cozinhar, lavar prato, limpar o chão para quando tiver sua casa poder dividir as tarefas com sua mulher – e também ensinar isso aos seus filhos e filhas.
Na adolescência, que não lhe estimulem a ser agressivo na paquera, a puxar as meninas pelo braço ou cabelos nas boates, ou a falar obscenidades no ouvido de uma garota só porque ela está de minissaia.
Que ele não tenha que transar com qualquer mulher que queira transar com ele, que se sinta livre para negar quando não estiver a fim – sem pressão dos amigos.
Que ele possa sonhar com casar e ser pai sem ser criticado por isso. E, quando adulto, que possa decidir com sua mulher quem é que vai ficar mais tempo em casa – sem a prerrogativa de que ele é obrigado a prover o sustento e ela é que tem que cuidar da cria.
Que, ao longo do seu crescimento, se perceber que ama meninos e não meninas, que ele sinta confiança na mãe – e também no pai! – para falar com eles sobre isso e ser compreendido.
Que todo menino seja educado para ser um cara legal, um ser humano livre e com profundo respeito pelos outros. E não um machão insensível! Acredito que se todos os meninos forem criados assim eles se tornarão homens mais felizes. E as mulheres também serão mais felizes ao lado de homens assim. E o mundo inteiro será mais feliz.
O machismo não faz mal só às mulheres, mas aos homens também, à humanidade toda.
Meu ativismo político é a favor da alegria. Só isso.
(Sílvia Amélia de Araujo)
Tela: Keith Mallett

05 fevereiro, 2019

Oração pelo Amor

ORAÇÃO PELO AMOR

"Iremos partilhar um belo sonho juntos – um sonho que você vai adorar o tempo todo. Nesse sonho, você está num belo dia quente e ensolarado. Escuta os pássaros, o vento e um riacho. Você caminha na direção do rio. Na margem do rio existe um homem meditando, e você percebe que da cabeça dele sai uma bela luz, de cores diferentes. Você tenta não perturbá-lo, mas ele percebe sua presença e abre os olhos. Ele possui aquele tipo de olhos cheios de amor e abre um grande sorriso. você pergunta como ele é capaz de irradiar aquela bela luz colorida. Pergunta se ele pode ensiná-lo a fazer o que está fazendo. Ele responde que há muitos e muitos anos, fez a mesma pergunta a seu mestre.
O velho começa a contar sua história: Meu professor abriu seu próprio peito, retirou seu coração e apanhou uma bela chama do coração. Então ele abriu meu peito, meu coração e colocou aquela pequena chama no interior. Colocou de volta meu coração em meu peito, e assim que isso aconteceu, senti um amor intenso, pois a chama que ele colocara em meu coração era o seu próprio amor.
Aquela chama cresceu em meu coração e tornou-se um grande fogo – um fogo que não queima, mas purifica tudo o que toca. E esse fogo tocou cada uma das células do meu corpo, e as células do meu corpo devolveram meu amor. Tomei-me uno com meu corpo, mas o meu amor cresceu ainda mais. Aquele fogo tocou cada emoção em minha mente e todas as emoções se transformaram num amor forte e intenso. E amei a mim mesmo, completa e incondicionalmente.
Mas o fogo continuou queimando e tive a necessidade de partilhar meu amor. Decidi colocar um pedaço desse amor em cada árvore, e as árvores devolveram meu amor e me tomei uno com as árvores. Mas o meu amor não parou, cresceu mais. Coloquei um pouco de amor em cada flor, e elas me devolveram, e nos tomamos uno. E o meu amor cresceu ainda mais,
para amar a todos os animais do mundo. Eles responderam ao meu amor, e me amaram de volta e nos tomamos uno. Mas o meu amor continuou crescendo cada vez mais.
Coloquei um pedaço do meu amor em cada cristal em cada pedra no chão, na terra, nos metais, e eles me amaram de volta e me tomei uno com a terra. Então resolvi colocar meu amor na água, nos oceanos, nos rios, na chuva e na neve. E eles me amaram em retorno e nos tomamos uno. Ainda assim, meu amor cresceu mais e mais. Resolvi dar meu amor ao ar, ao vento. Senti uma forte comunhão com a terra, com o vento, com os oceanos, com a natureza, e meu amor cresceu e cresceu.
Voltei minha cabeça para o céu, para o sol para as estrelas, e coloquei um pouco do meu amor em cada astro, na lua, no sol e eles me amaram de volta. Tomei-me uno com a lua, com o sol e com as estrelas, e meu amor continuou crescendo e crescendo. Coloquei um pouco do meu amor em cada ser humano, e me tornei uno com toda a humanidade. Aonde quer que eu vá, quem quer que encontre, vejo a mim mesmo nos olhos deles, porque sou uma parte de tudo, por causa do amor.”

Então O velho abre o próprio peito, retira o coração com uma bela chama no interior e coloca a chama em seu coração. Agora o amor está crescendo em seu interior. Agora você é uno com o vento, com a água, com as estrelas, com toda a natureza, com todos os animais e com todos os seres humanos. Você sente o calor e a luz emanando da chama em seu coração. De sua cabeça parte uma luz de cores diferentes. Você fica radiante com o brilho do amor e ora:

"Obrigado, Criador do Universo, pelo presente da vida que me deu. Obrigado por me dar tudo o que eu realmente preciso. Obrigado pela oportunidade de experimentar este belo corpo e esta mente maravilhosa. Obrigado por viver em meu interior com todo o Seu amor, com todo o Seu espírito puro e livre, com o Seu calor e luz radiante.
Obrigado por usar minhas palavras, por usar meus olhos, por usar meu coração para partilhar Seu amor aonde quer que eu vá. Amo Você da forma que é, e porque sou Sua criação, amo a mim mesmo da forma como sou. Ajude-me a manter o amor e a paz em meu coração e a tornar esse amor uma nova forma de vida, que poderei viver em amor pelo resto da minha existência. Amém.”

Don Miguel Ruiz



07 janeiro, 2019

O amor que cura - Permanecer no amor

Quero dizer algo sobre o amor, porém algo diferente do que vocês, talvez, esperem escutar. Às vezes ouvimos a frase: Permaneçam no amor! O que significa isso de permanecer no amor?

Conhecemos o amor que une.
 
Através de um amor especial nos encontramos unidos a nossos pais, a nossos parceiros, a nossos filhos.

Assim como nos encontramos unidos a eles, ao mesmo tempo, nos encontramos separados de outros.

Permanecer no amor significa que tudo é amado tal como é, que tudo é acolhido pela alma tal como é.

A luta também forma parte da vida.

A vida do indivíduo disputa seu lugar com a vida dos outros.

Quando permanecemos no amor, também amamos aos contrários, como a luta, a vitória e a queda. Amamos a vida e a morte, os vivos e os mortos. Amamos o passado tal como foi e o futuro tal como chega. Exatamente do jeito como ele chega.

Nesse amor somos amplos, em sintonia e em conformidade.

Esse amor é entrega ao Todo. E realmente a religião.

Nesse amor estamos completos e serenos.

Podemos contemplar como ele se desenvolve.

Encontramo-nos consagrados ao nosso próprio destino e respeitamos o destino dos outros e o destino do mundo.

Estar assim entregues ao Todo significa permanecer no amor.

Isso tem consequências para nossa vida cotidiana.

Aquele que assim pode permanecer no amor pode contemplar tudo tal como é: a felicidade e a desgraça, a vida e a morte, as implicações e a dor.

Como ama o Todo e se encontra entregue a ele, é também ativo no rio da vida, sem se envaidecer, sempre em sintonia e conformidade. Quem ajuda dessa maneira encontra-se livre e sem preocupações.

No Todo ninguém é melhor ou pior.

No Todo simplesmente estamos aí presentes.

Bert Hellinger



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...