28 janeiro, 2010

Influências do Aroma do Corpo - Interações instintivas

por Milene Siqueira

O nosso próprio cheiro é o primeiro a ser "reconhecido", é o cheiro mais importante para nossas relações, comportamentos e instintos.


Cada ser humano possui um aroma único, um cheiro impresso tão individual quanto sua impressão digital, embora não seja estático.
A impressão olfativa, é um padrão em constante estado de fluxo, determinado por uma variedade de fatores, incluindo: composição genética (principalmente etnia), estado de saúde, os alimentos que ingerimos, os remédios que tomamos (veja aqui essa pesquisa interessante sobre anticoncepcionais), e até mesmo a água que bebemos!

Nosso corpo é constituído de dois tipos de glândulas sudoríparas: as apócrinas e écrinas. A responsável pelo conhecido mau cheiro são as apócrinas que estão localizadas nas axilas, couro cabeludo e virilha, a secreção destas glândulas é drenada, não por poros da pele, mas pelos folículos dos pêlos destas regiões. Este suor além de água e eletrólitos como o das glândulas écrinas, contém ainda gorduras e proteínas, e alguns outros elementos como hormônios e alcalóides, derivados de certos alimentos que podem produzir odores próprios. Essas gorduras e proteínas entram em contato com as bactérias da pele, produzindo o mau cheiro (bromidose). É na puberdade que estas glândulas intensificam a sua atividade.


Teoricamente quanto mais verduras e frutas forem usadas na alimentação mais sutis as pessoas tenderiam a se tornar. Porém, esse capítulo fica à parte, pois além de complexo, depende muito de cada organismo, e principalmente da combinação de alimentos x enzimas digestivas. Porém é importante conhecer seu comportamento digestivo, e adequá-lo a uma alimentação que lhe faça "cheirar bem"! 


Estados emocionais também alteram o cheiro do corpo notavelmente, e tudo é um ciclo: estados corporais, gerando estados emocionais, e vice versa, e em meio disto: odor!

Nem sempre a pessoa consegue notar o seu próprio cheiro. Pessoas com maior contato com os óleos essenciais se beneficiam, pois conseguem aos poucos diagnosticar outros diversos aromas - incluindo os de seu próprio corpo -, vão percebendo sutis diferenças, estando assim alerta ao início de desordens, infecções. Aguça-se a percepção olfativa, e estende-se para outros níveis.


O sentido olfativo da mulher é geralmente mais discriminativo do que o do homem, daí uma interpretação biológica para a “intuição” feminina. 

No corpo, o vômer, ou órgão vomeronasal (OVN), com suas células quimiosensitivas, é o responsável por detectar sinais químicos como os feromônios, e regula comportamentos sexuais e sociais. Em comparação, talvez possamos dizer que o órgão vomeronasal esteja para o nariz, como o cerebelo está para o cérebro! 

Pessoas sem olfato (anosmia) tendem a problemas sexuais, hormonais, incluindo órgãos reprodutivos pouco desenvolvidos. Pessoas com redução do olfato (hiposmia) - o que é bastante comum de acontecer ao longo da vida -  geralmente tem a diminuição da libido.


É toda essa impressão olfativa que determina muitas de nossas respostas instintivas aos outros, aqueles que nos atraem, aqueles de quem não gostamos, e aqueles com quem escolhemos nos unir.

Se nossos padrões mudam, a química do nosso corpo também reage, repelindo o outro. Vamos nos afastando, olhamos de lado, não encaramos, como quem quer colocar o nariz longe. O mesmo acontece, só que inversamente, na atração.

ICH KANN IHN NICHT RIECHEN, é uma expressão em alemão que ilustra bem o quanto o cheiro é fundamental, significa “não posso cheirá-lo”, que é uma afirmação de um intenso desgosto. E sem olfato não há gosto.



*

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...